Febre aftosa em humanos

Uma das formas de transmissão da febre aftosa humana é através da ingestão do leite de um animal acometido, sem ter sido previamente fervido ou pasteurizado.
Uma das formas de transmissão da febre aftosa humana é através da ingestão do leite de um animal acometido, sem ter sido previamente fervido ou pasteurizado.
PUBLICIDADE

A febre aftosa é provocada por um vírus de RNA, da Família Picornaviridae, Gênero Aphthovirus. Dentre os sete subtipos que apresenta, somente três já ocorreram em nosso país.

Afetando principalmente o gado e búfalos, essa doença pode, ocasionalmente, ocorrer em indivíduos da nossa espécie. Nesses casos raros, na maioria das vezes, trata-se de crianças, geralmente com infecções prévias, como verminoses e gripe. Isso pode ser explicado pela fragilidade de seus sistemas imunológicos, fazendo com que fiquem mais expostos a problemas de saúde, inclusive este em questão.

Esse vírus é bastante infectante e, como é liberado nas fezes, urina, suor, sangue, leite e sêmen dos animais acometidos; é facilmente espalhado no ambiente. Existe, também, outro agravante: indivíduos da nossa espécie facilitam a dispersão dos vírus, de forma não intencional, ao manipularem o gado assintomático, e se direcionarem a outros locais, levando os vírus em suas mãos, roupas e sapatos.

A principal forma de transmissão da doença é pelas vias respiratórias. No entanto, qualquer ferida, mesmo que pequena, pode ser porta de passagem para o vírus contido no ambiente, secreções ou excreções dos animais acometidos. Outra forma de contaminação é pela ingestão do leite que não foi previamente fervido ou pasteurizado. A ingestão de carne ou produtos lácteos previamente processados não oferecem riscos.

A manifestação dos sintomas surge em até cinco dias após a exposição ao vírus. Os sintomas, semelhantes aos que ocorrem nos outros animais, incluem febre, formação de aftas na boca, brotoejas nos espaços entre os dedos e sede excessiva.

Geralmente, as manifestações sintomáticas duram entre três e cinco dias, regredindo naturalmente. No entanto, a doença pode propiciar infecções secundárias ou, nos casos mais graves, acometer garganta e pulmões, provocando complicações e até mesmo a morte.

Não existem vacinas nem tratamento específico para a febre aftosa. Este último se foca no uso de analgésicos e cuidados com as lesões. A prevenção primeira é a vacinação dos animais. Ingerir leite só se estiver fervido ou pasteurizado; e proteger as feridas e usar equipamentos de proteção individual, antes de entrar em contato com indivíduos potencialmente infectados; são outras importantes medidas a serem adotadas.


Por Mariana Araguaia
DESTAQUES
Confira os destaques abaixo

..................................................

Gráfico de Setores
Como um gráfico de setores deve ser feito? Confira mais!

..................................................

Verbo Pôr
Retire todas suas dúvidas em relação a esse verbo. Clique!

..................................................