19 de novembro – Dia da Bandeira

O Dia da Bandeira é comemorado em 19 de novembro. Essa data remonta ao contexto da Proclamação da República, em 1889.

O Dia da Bandeira é comemorado em 19 de novembro
O Dia da Bandeira é comemorado em 19 de novembro
Por Cláudio Fernandes
PUBLICIDADE

O Dia da Bandeira, no Brasil, é comemorado em 19 de novembro desde 1889 – ano da Proclamação da República. Essa data faz referência ao dia em que o modelo oficial da nova bandeira brasileira – a bandeira que representaria a República, e não mais o Império – foi aprovado, ou seja, apenas quatro dias após a derrocada do regime imperial, em 15 de novembro. Há, inclusive, dúvidas entre os historiadores a respeito de a “proclamação” da República ter acontecido realmente no dia 15. O que se sabe é que nesse dia o Ministério Imperial foi dissolvido pelos militares, mas as bases para o regime republicano vieram nos dias seguintes, como acentua Boris Fausto:

Nas primeiras horas da manhã de 15 de novembro de 1889, Deodoro assumiu o comando da tropa e marchou para o Ministério da Guerra, onde se encontravam os líderes monarquistas. Seguiu-se um episódio confuso, para o qual existem versões diversas, não sabendo ao certo se naquele dia Deodoro proclamou a República ou apenas considerou derrubado o ministério. Seja como for, no dia seguinte a queda da Monarquia estava consumada. Alguns dias mais tarde, a família real partia para o exílio.” [1]

O fato é que, imediatamente após o regime imperial cair, os republicanos trataram de substituir o principal símbolo desse regime, a bandeira, por outro. Mas esse outro modelo de bandeira durou apenas quatro dias, pois imitava a bandeira dos Estados Unidos da América, com faixas na horizontal, alternando as cores verde e amarelo. Isso provocou grande insatisfação entre aqueles que participaram do golpe contra o imperador D. Pedro II, em especial Raimundo Teixeira Mendes, que tratou ele próprio de elaborar a nova bandeira – dessa vez adequada às especificidades do Brasil.

O curioso é que Teixeira Mendes e os seus auxiliares nessa empreitada, Miguel Lemos e Manuel Reis e Décio Villares, tomaram como principal base para a feitura da nova bandeira justamente a bandeira imperial, utilizada nos reinados de D. Pedro I e D. Pedro II, que fora elaborada pelo pintor Jean-Baptiste Debret. Debret havia sobreposto um losango amarelo sobre um fundo verde; dentro do losango, foi inserido o brasão imperial da dinastia dos Bragança, como pode ser visto na imagem abaixo:

A bandeira imperial serviu de base para a bandeira republicana
A bandeira imperial serviu de base para a bandeira republicana

Teixeira Mendes apenas retirou o brasão imperial e colocou em seu lugar um círculo na cor azul estampado com a posição das estrelas do céu do Rio de Janeiro tal como fora visto no dia 15 de novembro de 1889. Sobre o círculo, foi posta a frase de inspiração positivista: “Ordem e Progresso”, que remete à frase do filósofo francês Auguste Comte: “O amor por princípio, a ordem por base e o progresso por fim”. Teixeira Mendes, como muitos republicanos da época, era membro do Apostolado Positivista. Esse novo modelo de bandeira foi aprovado por Deodoro da Fonseca e pelos demais participantes do levante republicano, como Benjamin Constant.

O interessante a se notar é que as cores da bandeira remetem, originariamente, aos símbolos imperiais. Uma das personalidades responsáveis pela escolha das cores foi a imperatriz Leopoldina da Áustria, rainha consorte do Brasil, esposa de D. Pedro I. Leopoldina sugeriu a Jean-Baptiste Debret a cor amarela para representar a casa dos Habsburgo, da qual ela provinha, e a cor verde, em homenagem à casa dos Bragança, dinastia à qual pertencia D. Pedro e o seu pai, D. João VI.

Com o advento da República, essas cores passaram a ser associadas aos elementos da natureza presentes no Brasil: o amarelo com o ouro e as riquezas da pátria; e o verde com as florestas, a natureza. Essa visão, em parte, tinha a função de descaracterizar os símbolos do Império, porém foi muito inspirada nas associações que os poetas românticos nacionalistas (muitos deles republicanos) faziam com os elementos naturais.

A despeito dessas questões, a bandeira é um dos símbolos máximos da nação e acaba por inspirar o espírito de competitividade e nacionalidade, em eventos esportivos, e o espírito de cidadania, em manifestações políticas.

NOTAS

[1] FAUSTO, Boris. História do Brasil. São Paulo: EDUSP, 2013. p. 201.


Por Cláudio Fernandes
DESTAQUES
Confira os destaques abaixo

..................................................

Pôde ou pode?
Será que apenas uma das expressões está correta?

..................................................

Migrações
Revise os seus conhecimentos sobre esse assunto. Clique!

..................................................