Ética

A Ética é a área da Filosofia que discute o comportamento moral. Diversas, porém, podem ser as interpretações a respeito do agir moral, como são as de Aristóteles e Kant.

A razão humana, para Kant, seria a fonte legítima de moralidade, pois por meio dela o homem questiona se sua ação é moralmente universal
A razão humana, para Kant, seria a fonte legítima de moralidade, pois por meio dela o homem questiona se sua ação é moralmente universal
Por Wigvan Junior Pereira dos Santos
PUBLICIDADE

A Ética é uma parte da filosofia prática também conhecida por filosofia moral. Os problemas principais da ética estão relacionados com os fundamentos do dever e com a natureza do bem e do mal, ou seja, tudo aquilo que está relacionado com o modo como devemos viver. Não por acaso, a palavra “ética” vem do grego éthikos e significa modos de ser. Em outras palavras, esse termo pode ser entendido como a reflexão sobre o comportamento moral.

Kant e o Imperativo Categórico

A área da ética que enfrenta a questão do modo como devemos viver é a Ética Normativa, que floresceu na época do Iluminismo, quando os filósofos passaram a entender que aquilo que deveria pautar as escolhas morais deveria ser a razão humana, e não os valores religiosos. O imperativo categórico de Kant é uma importante expressão das perguntas acerca da ação moralmente correta que marcaram esse período. Por meio do Imperativo Categórico, Kant procurou proporcionar um padrão pelo qual determinamos o que é obrigatório ou permissível fazer.

Desse modo, no pensamento de Kant, entrelaçam-se as noções de liberdade e de dever. A razão humana seria uma razão legisladora e, por isso, pela atividade do pensamento, seria possível chegar a normas. Essas normas seriam universais porque são fundadas na razão, algo que todos os humanos possuem. Ao obedecer às normas, a pessoa exerceria sua liberdade de estabelecer, por meio da razão, aquilo que é correto. Para Kant, podemos entender que o dever é uma expressão da racionalidade humana.

Mas o homem, sabia Kant, não é formado apenas de razão, pois ele possui também desejos, medos e interesses que interferem em suas decisões. Por isso, Kant acreditava que, em qualquer decisão, o homem deveria observar se sua ação pode ser universalizada, ou seja, aplicável a todos sem que ninguém seja prejudicado por ela. Se não puder ser universalizada, não se trata de uma ação moralmente correta.

A diferença entre Ética Formalista e Ética Aplicada

A ética de Kant pode ser entendida como formalista, ou seja, ele apresenta uma forma de agir moralmente correta, mas não especifica o que devemos ou não fazer em situações concretas. O filósofo Hegel criticou o formalismo de Kant e propôs uma ética vinculada à história, ao contrário do que ele entendia ser a ética kantiana, que, por não levar em conta a história e o desenvolvimento da sociedade, não conseguia resolver os problemas do indivíduo concreto.

Diferente da ética formalista é a Ética Aplicada, na qual se discute o que é obrigatório ou permissível fazer em relação a situações concretas. Consideremos, por exemplo, que matar uma pessoa seja moralmente incorreto. Mas e se essa pessoa for uma ameaça à sua vida ou à vida de outra, matá-la seria um ato moralmente correto? Da mesma forma, consideremos o roubo e o furto como atos moralmente incorretos. Mas e se essa pessoa for uma mãe desesperada para alimentar os filhos?

Uma área que se desenvolveu a partir da Ética Aplicada foi a Bioética, que discute, entre outros problemas, aqueles relacionados com o uso de animais em experimentos científicos.

O que os filósofos antigos pensavam sobre a Ética?

Desde os sofistas a preocupação sobre o comportamento humano faz-se presente. A ética dos sofistas era relativista, ou seja, para eles não havia normas que poderiam ser universalmente válidas, o contrário do que disse Kant séculos depois.

Sócrates já dizia algo no mesmo sentido que Kant, mas, para ele, a alma humana era, em sua essência, razão e nela deveriam ser encontrados os fundamentos da moral. Platão, por sua vez, desenvolveu esse pensamento com uma distinção entre corpo e alma: o corpo, por ser dotado de paixões, poderia desviar o homem do bem. Para alcançar a ideia de bem, o homem precisaria da pólis, de modo que aquele que age de forma ética é bom e, também, um bom cidadão.

Dissociando o homem da sociedade, os estoicos pensavam na ética como um autocontrole individual com aceitação em relação ao que acontece e com a noção de amor ao destino. Tudo faria parte dos planos de uma razão universal. A consequência do agir, segundo esses princípios, seria a imperturbabilidade da alma.

Para os epicuristas, a imperturbabilidade da alma era também a finalidade da ética, mas os princípios que eles seguiam eram quatro: 1) Não há o que temer quanto aos deuses; 2) Não há o que temer quanto à morte; 3) A felicidade pode ser alcançada; 4) Pode-se suportar a dor. Eles defendiam também que o bem fundamental é o prazer, mas não no sentido do prazer sexual, e sim do prazer da amizade.

Aristóteles e a ética do equilíbrio

A preocupação da ética de Aristóteles, também racionalista como a de Platão, era relacionar mais profundamente o homem com a vida na pólis. Por isso, abandonou o dualismo platônico corpo-alma.

Em sua obra, Aristóteles investigou as formas de governo que permitiriam que os homens tivessem uma vida melhor em sociedade. Para ele, “o homem é um animal político”, ou seja, o homem só realiza sua natureza quando envolvido na vida da pólis. A política constitui, ao lado da ética, dentro do sistema aristotélico, o “saber prático”, pois o objetivo de ambas não é o conhecimento de uma realidade – como no caso da física, astronomia, ciências biológicas e psicologia, que constituem o “saber teórico”. Segundo esse filósofo, ética e polítca não poderiam ser pensadas separadamente, pois enquanto a ética busca o bem-estar individual, a política busca o bem comum.

A ética aristotélica é um estudo da virtude – em grego, areté, que também pode ser traduzido por “excelência”. Isso significa que o objetivo do ser humano é atingir o grau mais elevado do bem humano – a felicidade. Para alcançar a virtude, o homem precisa escolher “o caminho do meio”, a justa medida das coisas, e agir de forma equilibrada. A covardia e o medo de tudo, por exemplo, não seriam o certo, mas não ter nenhum medo também não. A melhor forma de agir seria preservar a cautela, evitando os excessos, tanto de medo tanto de destemor.

Para alcançar a felicidade, cada ser precisa cumprir sua faculdade. A faculdade principal do homem e que o distingue dos outros animais é a racionalidade. Essa é a maior virtude do homem. Sendo assim, para ser feliz, na concepção de Aristóteles, ele precisa exercitar a sua capacidade de pensar. Como o homem não vive sozinho, seu agir virtuoso também terá impacto na relação que estabelece com os outros, ou seja, na vida social e política.


Por Wigvan Junior Pereira dos Santos
DESTAQUES
Confira os destaques abaixo

..................................................

Algas
Estude os diversos aspectos que caracterizam esses organismos.

..................................................

Força de atrito
Fique por dentro dos diferentes tipos de força de atrito.

..................................................