Trabalho Infantil no Brasil

Embora o Brasil seja referência no combate à exploração do trabalho infantil, os índices de menores que exercem algum tipo de atividade remunerada no país ainda preocupam.

O trabalho infantil é a principal causa de evasão escolar e compromete todo o desenvolvimento da criança e do adolescente
O trabalho infantil é a principal causa de evasão escolar e compromete todo o desenvolvimento da criança e do adolescente
Por Thamires Olimpia Silva
PUBLICIDADE

Com uma redução de 43% dos índices de trabalho infantil entre 2004 e 2014, período em que a quantidade de crianças e adolescentes trabalhando caiu de mais de cinco milhões de crianças para 2,8 milhões, o Brasil é considerado referência no combate ao trabalho infantil no mundo. Para conseguir reduzir o número de crianças exercendo algum tipo de trabalho remunerado ou que se enquadre em exploração do trabalho infantil (quando o trabalho infantil beneficia terceiros), o país tem investido em leis e políticas públicas de desenvolvimento social e de controle e fiscalização do trabalho infantil em seu território.

  • Leis e Políticas Públicas no Brasil sobre a questão do Trabalho Infantil

Tanto o artigo nº 424 da CLT (Consolidação das Leis de Trabalho) quanto o artigo n° 67 do ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente) estabelecem a proibição do trabalho infantil e a função da família de proteger a criança e o adolescente de qualquer tipo de exploração, inclusive do ingresso precoce no mercado de trabalho. Outra lei que colabora para a erradicação do Trabalho infantil é a Lei da Aprendizagem, que regulamenta o desenvolvimento de atividades de aprendizagem por adolescentes com idade superior a 14 anos. Essa lei estabelece que o adolescente pode exercer atividades que colaborem com a sua futura inserção no mercado de trabalho, desde que tenham objetivo de aprendizagem, não comprometam a saúde física e emocional da criança e não atrapalhem o seu desempenho educacional.

O país desenvolve também diversas políticas públicas de desenvolvimento social da população carente e acompanhamento da criança e do adolescente para evitar o seu ingresso precoce no mercado de trabalho. Uma das principais políticas públicas para a erradicação do trabalho infantil no Brasil é o PETI (Programa de Erradicação do Trabalho Infantil), um programa vinculado ao Bolsa Família que objetiva erradicar qualquer tipo de trabalho infantil que não tenha fins educativos no país.

O PETI tem como público-alvo famílias de baixa renda que possuam crianças em situação de trabalho infantil. Além de fornecer recursos financeiros para a complementação da renda familiar, o programa procura inserir a criança e o adolescente em diversas atividades de lazer e acompanhamento social, emocional e escolar. Para participar, a criança precisa ter uma frequência escolar mínima de 85%.

Apesar de as leis de controle e fiscalização e as políticas públicas para o combate ao trabalho infantil terem evoluído no Brasil, ainda é muito comum encontrarmos crianças e adolescentes exercendo algum tipo de serviço no país, inclusive aqueles enquadrados pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) como as piores formas de trabalho infantil do mundo, como trabalhos análogos à escravidão, prostituição infantil, aliciamento de menores para o crime organizado e tráfico de entorpecentes ou qualquer outro trabalho que apresente riscos à saúde física e emocional da criança e do adolescente.

  • Trabalho infantil no campo e na cidade

Grande parte das crianças e adolescentes que trabalham vive nas áreas rurais do país. Segundo o PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio), cerca de 450 mil crianças entre 5 e 13 anos trabalhavam em atividades agrícolas ou de extrativismo em 2011, cerca de 63% do total de trabalhadores nessa faixa etária.

Embora a quantidade de crianças trabalhadoras seja maior no campo, é na cidade que elas estão mais vulneráveis. Isso porque, com a expansão da criminalidade no país, muitas crianças são aliciadas para o tráfico de drogas, por exemplo, sendo submetidas a um risco de vida maior do que as crianças que trabalham no meio rural.

  • A herança cultural que estimula o trabalho infantil

Outro fator que colabora com o ingresso das crianças e adolescentes no mercado de trabalho é a herança cultural. O brasileiro, em alguns casos, acredita que esse ingresso precoce no mercado de trabalho colabora para o seu desenvolvimento e evita a sua entrada no mundo da criminalidade, mesmo que isso diminua o seu tempo de dedicação escolar ou que os retire do convívio social familiar.

  • Como acabar com o Trabalho Infantil?

Para que o Brasil continue avançando no combate ao Trabalho Infantil, é necessário continuar investindo em campanhas de conscientização para esclarecer que o lugar da criança é na escola e no meio familiar e que, ao contrário do que se imagina, o trabalho infantil é muito nocivo ao desenvolvimento da criança e do adolescente.

Além disso, qualquer tentativa de erradicação do trabalho infantil no país deve levar em consideração também o endurecimento da fiscalização e da punição para empresas que empregam crianças e adolescentes. No Brasil, a fiscalização e a punição ainda são muito ineficientes, principalmente nas pequenas empresas, visto que a quantidade de estabelecimentos no país é muito superior à capacidade de atuação dos órgãos de fiscalização. Na maioria das vezes, a identificação de um ponto de trabalho infantil depende de denúncias anônimas.


Por Thamires Olimpia Silva
DESTAQUES
Confira os destaques abaixo

..................................................

Pôde ou pode?
Será que apenas uma das expressões está correta?

..................................................

Migrações
Revise os seus conhecimentos sobre esse assunto. Clique!

..................................................