Ação Libertadora Nacional (ALN)

A Ação Libertadora Nacional (ALN) foi uma organização revolucionária comunista que atuou no Brasil, entre os anos de 1968 e 1971, durante o Regime Militar.

A ALN foi uma facção revolucionária comunista que atuou no Brasil entre 1968 e 1971
A ALN foi uma facção revolucionária comunista que atuou no Brasil entre 1968 e 1971
PUBLICIDADE

A Ação Libertadora Nacional (ALN) foi uma organização revolucionária comunista atuante no Brasil entre 1968 e 1971, no contexto da “linha-dura” do Regime Militar. A ALN era uma das muitas dissidências do Partido Comunista Brasileiro (PCB) e caracterizou-se por pregar as práticas do terrorismo e da guerrilha (urbana e rural) como estratégia para a tomada do poder. Entre os principais comandantes da ALN (que chegou a contar com cerca de 2.000 adeptos), estavam: Carlos Marighella, Joaquim Câmara Ferreira e Carlos Eugênio da Paz.

  • A OLAS e o “Pronunciamento do agrupamento comunista de São Paulo”

A ALN foi criada em 1968 a partir do “Pronunciamento do agrupamento comunista de São Paulo”, a primeira dissidência do Partido Comunista liderada por Marighella. Cabe dizer que Marighella foi expulso do PCB no ano anterior após criticar a escolha que o partido seguia de construir uma “vanguarda revolucionária” desde dentro do sistema democrático institucional para só depois (com o apoio das massas) partir para a tomada do poder, por meio da luta armada. O programa defendido por Marighella ia de encontro a essa postura, pois pregava justamente o contrário: iniciar a revolução com a luta armada e só depois construir uma vanguarda partidária organizada.

A ideia de instalação de um foco guerrilheiro revolucionário no Brasil não estava restrita à ALN e nem apareceu apenas após o Golpe militar de 1964, mas estava presente desde o fim dos anos 1950 na mente de militantes do PCB, que depois se tornaram líderes de outras facções, como foi o caso de Maurício Grabois – líder da Guerrilha do Araguaia. As influências diretas que essas facções receberam, sobretudo a ALN, vinham da experiência da Revolução Cubana, de 1959.

Após a revolução, Cuba desenvolveu a Organização Latino-Americana de Solidariedade (OLAS) com o objetivo de “exportar” o modelo revolucionário guerrilheiro para outras regiões da América Latina. Marighella chegou a participar de uma das reuniões da OLAS e a entrar em contato com a teoria do foco revolucionário, isto é, da disseminação de muitos focos guerrilheiros pelo continente, elaborada por Ernesto “Che” Guevara e Regis Debray. Foi a partir dessa teoria que Marighella desenvolveu o programa da ALN, que teve a frase “O dever de todo revolucionário é fazer a revolução”, de “Che” Guevara, como lema norteador.

  • Terrorismo e guerrilha

A ALN não se eximia de assumir a alcunha de facção terrorista. Pelo contrário, expressões como assalto, terrorismo e guerrilha estavam nos documentos oficiais da organização, que encarava, ao que tudo indica, as ações violentas (como sequestros, roubos, atentados etc.) pelo crivo da fórmula do líder bolchevique Vladimir Lênin: “o terrorismo é a propaganda armada da Revolução”. Em um dos parágrafos do Programa da ALN está escrito: “Todos nós somos guerrilheiros, terroristas e assaltantes e não homens que dependem de votos de outros revolucionários ou de quem quer que seja para se desempenharem o dever de fazer a revolução.”

Já no Minimanual do Guerrilheiro Urbano, livreto escrito por Marighella, há cinco curtos parágrafos (que integram o tópico “terrorismo”) que destacam a “importância” do terrorismo, associado à guerrilha, para a estratégia revolucionária. Vejamos:

O terrorismo é uma ação, usualmente envolvendo a colocação de uma bomba ou uma bomba de fogo de grande poder destrutivo, o qual é capaz de influir perdas irreparáveis ao inimigo.

O terrorismo requer que a guerrilha urbana tenha um conhecimento teórico e prático de como fazer explosivos.

O ato do terrorismo, fora a facilidade aparente na qual se pode realizar, não é diferente dos outros atos da guerrilha urbana e ações na qual o triunfo depende do plano e da determinação da organização revolucionária. É uma ação que a guerrilha urbana deve executar com muita calma, decisão e sangue frio.

Ainda que o terrorismo geralmente envolva uma explosão, há casos no qual pode ser realizado execução ou incêndio sistemático de instalações, propriedades e depósitos norte-americanos, fazendas, etc. É essencial assinalar a importância dos incêndios e da construção de bombas incendiárias como bombas de gasolina na técnica de terrorismo revolucionário. Outra coisa importante é o material que a guerrilha urbana pode persuadir o povo a expropriar em momentos de fome e escassez, resultados dos grandes interesses comerciais.

O terrorismo é uma arma que o revolucionário não pode abandonar.

  • Democracia revolucionária” contra “centralismo democrático”

Outro ponto característico da ALN era a completa rejeição ao chamado “centralismo democrático”, um conceito intrínseco ao debate entre quadros (militantes treinados) do comunismo, de orientação leninista, que pregava a centralização de toda atividade militante no Congresso do Partido. Isso incluía a formação dos militantes, a disciplina, a organização administrativa em dirigentes eleitos etc.

A ALN julgava que a opção mais “transparente” era a “democracia revolucionária”, isto é, a ação revolucionária não passaria por nenhum crivo burocrático. A ação seria direta por meio da luta armada. Seria a partir da ação violenta e de sua disseminação que os grupos revolucionários “conquistariam” as massas de trabalhadores (rurais e urbanos). Como está escrito no Programa da ALN:

Em nossa Organização o que há é a democracia revolucionária. E democracia revolucionária é o resultado da confiança no papel desempenhado pela ação revolucionária e nos que participam da ação revolucionária.

Os princípios orgânicos para a construção de um partido que precede a revolução são uma coisa, os princípios de uma Organização como a nossa, que se constitui como decorrência da ação revolucionária, são outra coisa. Estes princípios são quatro: o dever de todo revolucionário é fazer a revolução; não pedimos licença a ninguém para praticarmos atos revolucionários; só temos compromisso com a revolução; só agimos por meios revolucionários.

  • Ações da ALN

Entre as principais ações levadas a cabo pela ALN, estão o assalto ao trem pagador da linha Jundiaí-São Paulo (do qual o próprio Marighella foi partícipe), a participação no sequestro do embaixador Charles Elbrick, planejado pelo grupo Dissidência Comunista Guanabara, o assassinato do empresário Henning Boilesen (que era colaborador da OBAN – Operação Bandeirante –, órgão de repressão do Regime Militar) e o assassinato do militante da própria ALN, Márcio Toledo, considerado traidor da organização.


Por Cláudio Fernandes
DESTAQUES
Confira os destaques abaixo

..................................................

Viagem no tempo
Viagens no tempo são apenas ficção ou podem ser reais?

..................................................

Polígonos
Aprenda a classificá-los a partir do número de lados.

..................................................