Inconfidência Mineira

O marquês de Pombal foi responsável pela promoção do despotismo esclarecido em Portugal.
O marquês de Pombal foi responsável pela promoção do despotismo esclarecido em Portugal.
Por Rainer Sousa
PUBLICIDADE
 Ao longo do século XVIII, observamos que o governo português empreendeu um visível aumento nos mecanismos de cobrança e fiscalização sobre a população colonial. Nessa época, a busca por lucros, provenientes da atividade aurífera, impuseram a criação de novos impostos, o envio de tropas militares e o surgimento de novas instituições. Mesmo com o esgotamento natural das minas, o poder metropolitano não abria mão dos lucros retirados da tributação destinada à referida atividade.

Com o passar do tempo, muitos mineradores não tinham condições para cumprir com os compromissos tributários exigidos, realizando assim o acúmulo de dívidas. Tal situação, considerada incômoda, somava-se ainda ao alto preço estipulado para a compra de produtos manufaturados, como, calçados, tecidos e ferramentas oriundas das embarcações portuguesas. Desse modo, os colonos questionavam o compromisso metropolitano em desenvolver a região das Minas nos fins do século XVIII.

Não bastando toda essa situação, o governo de Portugal resolveu empreender a cobrança de impostos se utilizando da derrama. Nessa modalidade de cobrança, a metrópole enviaria tropas que realizariam o confisco de bens e propriedades que compensariam o acúmulo dos impostos atrasados em uma cidade ou região. Foi a partir daí que um grupo de moradores de Vila Rica passou a se reunir secretamente com o intuito de discutir a formação de um governo autônomo para Portugal.

Integrantes, em sua maioria, da elite econômica e intelectual do lugar, os inconfidentes debatiam a formação de um governo republicano inspirado nos ideais do Iluminismo. Entre outras coisas, reivindicavam a separação da capitania de Minas Gerais, ora sob o domínio português, desenvolvimento de atividades industriais, elaboração de uma nova constituição e fundação de universidades. No que tangia à escravidão, o movimento não assumiu uma posição clara sobre a possibilidade de abolição.

No final de 1788, os inconfidentes esperavam a cobrança da derrama para executarem um plano de sublevação, capaz de mobilizar outros setores da população. Contudo, a execução da derrama foi adiada, o que acabou desarticulando os revoltosos. No início de 1789, as autoridades realizaram a convocação de alguns dos inconfidentes para que efetuassem o pagamento de suas dívidas. Foi então que o fazendeiro Joaquim Silvério dos Reis ofereceu o nome dos inconfidentes em troca do perdão de suas dívidas.

A partir daquele momento, as autoridades militares e judiciais foram acionadas para organizar os inquéritos que determinariam os culpados pela organização desse levante contra a Coroa. Em 1791, o julgamento dos envolvidos apontou que onze dos envolvidos seriam condenados à morte. Entretanto, somente o alferes Joaquim José da Silva Xavier, mais conhecido como Tiradentes, acabou sendo levado à forca, esquartejado e tendo seus restos mortais expostos pela região de Vila Rica.

Por Rainer Sousa
DESTAQUES
Confira os destaques abaixo

..................................................

Soluções
Revise os seus conhecimentos sobre tipos de soluções.

..................................................

Olho humano
Conheça os nomes das estruturas que formam os olhos.

..................................................