O desenvolvimentismo de JK

Memorial JK em Brasília. A capital do Brasil se transformou no símbolo do desenvolvimentismo de JK.*
Memorial JK em Brasília. A capital do Brasil se transformou no símbolo do desenvolvimentismo de JK.*
PUBLICIDADE

O governo de Juscelino Kubitschek (JK, 1956-1961) ficou gravado na história republicana brasileira como a época do desenvolvimentismo, um período de grandes investimentos em transporte, produção de energia e indústrias de base, com o intuito de proporcionar o crescimento econômico capitalista ao Brasil. Foi neste período também que os esforços de interiorização da população no território nacional mais foram fortalecidos, com a construção da célebre capital do país, Brasília.

Com a experiência de grandes obras como prefeito de Belo Horizonte, em Minas Gerais, JK se alçou no cenário político nacional prometendo criar um ciclo de desenvolvimento econômico no país durante seu governo, celebrizado pelo lema 50 anos em 5. A base desta proposta foi o Plano de Metas, alicerçado no desenvolvimento de cinco setores: energia, transporte, indústria, educação e alimentação. Os dois últimos setores não tiveram suas metas atingidas, com pouco capital destinado à sua realização. Os demais conseguiram alcançar os objetivos, devido ao grande investimento estatal e do capital estrangeiro. JK fez um apelo explícito ao investimento estrangeiro, chegando suas taxas a níveis que não haviam ainda ocorrido no Brasil.

No governo JK, construíram-se as usinas hidrelétricas de Três Marias e Furnas, esforço necessário para sustentar o ritmo de crescimento econômico, principalmente nas indústrias de bens duráveis, como a indústria automobilística em São Paulo e a siderúrgica Usiminas em Minas Gerais.

No intuito de ocupar e desenvolver também o interior do Brasil, mais de 20 mil quilômetros de rodovias foram construídos, interligando vários pontos do país. Foi com este objetivo que JK mobilizou imensas forças econômicas e sociais para a construção da nova capital no interior do Brasil. Projetada pelo urbanista Lúcio Costa e com edificações elaboradas pelo arquiteto Oscar Niemeyer, Brasília foi inaugurada por JK em 21 de abril de 1960, apenas quatro anos após ter sido anunciada sua construção.

A migração realizada no território brasileiro foi outra característica encontrada no Governo JK. Com a industrialização concentrada no sudeste brasileiro, surgiu uma corrente migratória para esta região, com pessoas vindas principalmente do semiárido nordestino, fugindo das miseráveis condições de vida. Para o local da construção de Brasília também se deslocaram centenas de milhares de trabalhadores, que por lá se fixaram dando origem às cidades satélites da nova capital.

O incentivo ao desenvolvimento econômico gerou um grande aumento da dívida externa nacional, pois as divisas obtidas com as exportações não conseguiram contrabalancear a captação de recursos para o Plano de Metas. Novos empréstimos foram realizados para sanar a dívida, mas não resultaram numa situação satisfatória. Outro aspecto econômico negativo foi a crescente inflação que se verificou em seu governo.

Apesar da forte propaganda de suas ações, JK não conseguiu eleger seu candidato à presidência, em 1961. Contra o general Lott, apoiado por JK, venceu o candidato Jânio Quadros, sendo eleito como vice-presidente João Goulart.

*Créditos da imagem: ostill  e Shutterstock.com


Por Tales Pinto
DESTAQUES
Confira os destaques abaixo

..................................................

Terremotos: Brasil
Pode ocorrer terremotos no Brasil? Resolva essa dúvida!

..................................................

Radioterapia
A utilidade da radioterapia no tratamento de doenças. Saiba!

..................................................