Adolf Hitler

Adolf Hitler nasceu na Áustria, lutou pela Alemanha na Primeira Guerra e ingressou no partido nazista em 1919, de onde ascendeu ao poder e executou as suas ideias.

Adolf Hitler (1889-1945) fazendo uma típica saudação nazista *
Adolf Hitler (1889-1945) fazendo uma típica saudação nazista *
PUBLICIDADE

Ao longo da história da humanidade, vários indivíduos destacaram-se em cada civilização e cultura nos quatro cantos do planeta. Várias personalidades tornaram-se modelos de inspiração e virtude (como profetas, santos, filósofos e cientistas); mas outras tantas personalidades também se tornaram modelos de horror e crueldade. A história está submetida, periodicamente, à ascensão tanto de indivíduos inspiradores quanto de indivíduos terríveis. Nesse segundo grupo, enquadra-se Adolf Hitler, responsável por um dos mais cruéis regimes políticos que já existiram: o nazismo.

Adolf Hitler era o quarto filho de Alois Hitler, um funcionário público de baixo posto, e de Klara Hitler, que era prima (em segundo grau) de Alois. Hitler nasceu em 1889, em um vilarejo próximo à cidade de Linz, na região da Alta-Áustria, então domínio do Império Austro-húngaro. Sua infância foi financeiramente modesta. Sua adolescência e início da juventude foram marcados pelas mortes dos pais. Alois morreu em 1903, vitimado por apoplexia, e Klara, em 1907, em decorrência de um câncer.

Após ficar órfão, Hitler decidiu seguir para a capital da Áustria, Viena, com o objetivo principal de tornar-se artista plástico. Para tanto, tentou ingressar na Academia de Belas Artes vienense em 1908. Sua atividade como pintor direcionava-se, em parte, à produção de aquarelas e a desenhos de projetos arquitetônicos. A despeito de sua tentativa nessa carreira, a Academia vienense recusou o seu ingresso. Hitler, então, teve de sobreviver em Viena fazendo, entre outras coisas, desenhos para cartões postais.

Na década seguinte, quando teve início a Primeira Guerra Mundial, em 1914, Hitler encontrava-se em Munique, na Alemanha. O espírito nacionalista e a moderna máquina de guerra germânica tornaram-no obcecado pelo conflito e fizeram-no alistar-se como combatente voluntário. Durante a guerra, Hitler recebeu duas Cruzes de Ferro (insígnia destinada àqueles que se feriram em combate). Com o término da guerra e a derrota humilhante da Alemanha, que se viu forçada a cumprir as determinações do Tratado de Versalhes, o sentimento de nacionalismo extremista intensificou-se ainda mais entre os alemães. Hitler ficou imerso nessa atmosfera de ressentimento que dominou os anos 1920, na chamada República de Weimar.

Em 1919, Hitler ingressou no Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães, cuja abreviação do nome em alemão é NAZI. O partido nazista era, até então, uma organização derivada do Movimento Nacional Socialista, que agregava operários, desempregados e ex-combatentes da Primeira Guerra. De 1920 em diante, Hitler começou a transformar radicalmente o partido, implementando em sua organização preceitos de disciplina militar (como símbolos, uniformes e rituais de cumprimento). A opção pela cruz suástica como símbolo máximo do partido foi ideia direta de Hitler. Sua ascensão dentro do partido ocorreu não apenas por suas propostas de organização, mas também em virtude de sua hábil oratória, que manipulava profundamente o ressentimento dos alemães.

Em 1923, Hitler, com o auxílio das milícias que havia ajudado a fundar dentro do partido nazista, tentou tomar o pusch de Munique, no estado da Baviera, sendo então preso e condenado por tentativa de golpe. Na prisão, aprimorou as ideias que deram corpo a ideologia nazista e que executaria quando assumisse o poder em 1933. Essas ideias foram expressas no livro Mein Kampf (Minha Luta), publicado em 1925. O principal foco do livro de Hitler era elaborar um projeto político para a ascensão da raça ariana, projeto esse que, segundo sua perspectiva, nasceria com o III Reich alemão e se expandiria pela Europa.

Para dar vazão a tal projeto, outras ideias laterais engrossavam o nacionalismo racista hitleriano, como o antissemitismo (aversão e ódio completo aos judeus), a eugenia (aperfeiçoamento de uma raça supostamente superior) e o espaço vital (área supostamente necessária para a expansão da raça ariana). Um exemplo dessas ideias pode ser verificado no trecho a seguir:

Se, por exemplo, em uma determinada raça, um indivíduo cruza com outro de raça inferior, o resultado imediato é a baixa do nível racial e, depois, o enfraquecimento dos descendentes, em comparação com os representantes da raça pura. Proibindo-se absolutamente novos cruzamentos com a raça superior, os bastardos, cruzando-se entre si, ou desapareceriam, dada a sua pouca resistência, ou, com o correr dos tempos, através de misturas constantes, criariam um tipo em que não mais se reconheceria nenhuma das qualidades da raça pura. [1]

Essa concepção de raça superior e raça inferior foi o fundamento principal para a perseguição dos judeus, a construção dos campos de concentração e a política do holocausto.

No ano de 1932, com as novas eleições na Alemanha, os nazistas conseguiram vultosas conquistas dentro do parlamento, ocupando várias cadeiras. Essas conquistas, aliadas às “táticas sujas” que milícias como a SA praticavam nas ruas (como espancamentos de adversários políticos), acabaram pressionando o então presidente Von Hindenburg a nomear Hitler chanceler da República.

Em 1933, Hitler, que possuía o apoio de grande parte do parlamento, conseguiu a aprovação de uma lei que permitia ao chanceler legislar independentemente do próprio parlamento. Esse era o primeiro passo para a sua ditadura. Com a morte de Hindenburg, Hitler tornou-se também chefe político do executivo, tendo pleno poder sobre as forças armadas. Atribuiu a si próprio o epíteto de Füher, que significa líder ou guia. A partir daí, seu poder, aliado à grande máquina de propaganda que montou para superdimensionar a sua imagem e enaltecer a sua ideologia, tornou-se ilimitado.

De 1933 a 1939, Hitler transformou a sociedade alemã em uma sociedade militarizada, fortemente imbuída de valores nacionalistas ligados ao passado dos impérios alemães ou Reich. A recuperação da indústria bélica – fato que rompia com o Tratado de Versalhes – foi uma das medidas imediatas tomadas por Hitler. A proposta política hitleriana era profundamente revanchista, e a guerra, para ele, era um destino e uma necessidade do povo germânico para impor sua superioridade sobre os demais.

A campanha nazista na Segunda Guerra foi uma das que mais espalharam destruição. As atrocidades cometidas por diversos membros do partido, como médicos, divisões especiais do exército e vários outros, tinham o conhecimento tácito do Füher. Em 1945, quando percebeu que a guerra estava mais uma veze perdida para a Alemanha, Hitler suicidou-se em seu Bunker com sua esposa, Eva Braun.

[1] HITLER, Adolf. Minha Luta. 1925. p. 369.

* Créditos da imagem: Shutterstock e Everett Historical


Por Cláudio Fernandes
DESTAQUES
Confira os destaques abaixo

..................................................

Terremotos: Brasil
Pode ocorrer terremotos no Brasil? Resolva essa dúvida!

..................................................

Radioterapia
A utilidade da radioterapia no tratamento de doenças. Saiba!

..................................................