Campos de concentração para japoneses nos EUA

No século XX, os japoneses sofreram forte preconceito nos Estados Unidos e, durante a Segunda Guerra Mundial, foram aprisionados em campos de concentração.

Alojamentos de um campo de concentração construídos para abrigar nipo-americanos durante a Segunda Guerra.*
Alojamentos de um campo de concentração construídos para abrigar nipo-americanos durante a Segunda Guerra.*
Por Daniel Neves Silva
PUBLICIDADE

Durante a Segunda Guerra Mundial, em decorrência do conflito contra o Japão, milhares de cidadãos americanos de ascendência japonesa sofreram forte preconceito. Esse preconceito disseminado na sociedade, aliado à histeria provocada pela guerra, levou o governo americano a autorizar o aprisionamento dessas pessoas em campos administrados por uma agência do governo.

Esses campos em que foram aprisionados os americanos de origem japonesa eram chamados, em inglês, de internment camps, que significa, em uma tradução literal, “campos de internamento”. No entanto, o uso desse termo é criticado por muitos, pois, como afirmam os críticos, seria um eufemismo, ou seja, uma forma de minimizar o real significado para evitar o emprego de concentration camps (em português, “campos de concentração”).

Preconceito contra japoneses antes da guerra

A sociedade americana foi formada por imigrantes, pois, ao longo do século XIX e principalmente na virada para o século XX, milhares de pessoas de diferentes partes do mundo, rumaram para os Estados Unidos em busca de uma vida melhor. Um dos grupos que migraram em peso para os Estados Unidos foi o dos japoneses.

O Japão do século XIX passava por transformações radicais e estava, aos poucos, abandonando suas características semifeudais e inserindo-se no mundo industrializado. Apesar disso, muitas pessoas viviam em condições ruins e viram na migração uma oportunidade para melhorar de vida. A intenção inicial era a de retornar ao Japão assim que fosse possível.

Os japoneses que haviam migrado para os Estados Unidos instalaram-se, principalmente, na Costa Oeste do país e no Havaí e trabalhavam em fazendas locais e ferrovias em construção. A quantidade de japoneses presentes nos Estados Unidos cresceu consideravelmente: a comunidade japonesa, em 1910, era de 72.157 pessoas e passou para 111.010 em 1920|1|.

À medida que a comunidade japonesa foi crescendo e tornando-se expressiva, um forte preconceito foi desenvolvido, principalmente na Costa Oeste dos Estados Unidos. Esse preconceito tachava os cidadãos de origem japonesa como inferiores e classificava-os como “menos americanos”.

Esse sentimento negativo em relação aos nipo-americanos (americanos de origem japonesa) levou ao surgimento de entidades que pressionavam o governo pelo decreto de leis discriminatórias contra esses cidadãos. Isso ficou evidenciado por uma lei de 1924 que proibiu a entrada de novos imigrantes asiáticos (japoneses, chineses e coreanos) nos Estados Unidos.

Ataque a Pearl Harbor e a Ordem 9066

Paralelamente ao preconceito que se desenvolveu nos Estados Unidos no século XX, as relações entre esse país e o Japão foram piorando ao ponto de, na década de 1920, existirem pessoas influentes na sociedade japonesa que defendiam uma guerra contra os americanos. A deterioração das relações EUA-Japão foi resultado do impulso imperialista do Japão no século XX.

O agravamento das relações entre as duas nações levou o Japão a organizar o ataque contra a base naval de Pearl Harbor, localizada no Havaí. Esse ataque contra a base naval americana causou uma destruição razoável da frota existente no local e matou cerca de 2.400 soldados americanos. Essa ofensiva japonesa, ocorrida em 7 de dezembro de 1941, levou os EUA a declararem guerra ao Japão no dia seguinte.

Com a guerra declarada entre as duas nações, a comunidade nipo-americana, que já era vista com preconceito, passou a ser hostilizada como inimiga declarada e sua liberdade foi percebida como potencial risco contra a sociedade americana. Inúmeros estereótipos foram difundidos e tachavam os cidadãos de origem japonesa como agressores sexuais compulsivos, por exemplo|2|.

Muitos acusavam os nipo-americanos de espionagem e colaboracionismo com o inimigo, apesar de investigações da inteligência americana, conduzidas por ordem do presidente dos EUA, terem afirmado que não havia indícios disso. Mesmo assim, por causa da histeria provocada pela guerra, os descendentes de japoneses passaram a ser abrigados em campos de concentração a partir da autorização dada pelo presidente americano, Franklin D. Roosevelt.

Essa ordem presidencial ficou conhecida como Ordem Executiva 9066 e autorizou o exército a aprisionar qualquer cidadão que representasse um risco para a sociedade americana. Com isso, iniciou-se a evacuação e o aprisionamento de mais de 120 mil cidadãos nipo-americanos. Desse total, cerca de dois terços havia nascido nos EUA.

Campos de concentração

Assim que foi dada a ordem presidencial autorizando o aprisionamento, toda pessoa que possuísse até 1/16 de ascendência japonesa era aprisionada. Essas pessoas eram obrigadas a sair de seus empregos e a vender todos os seus bens para, então, serem encaminhadas ao aprisionamento.

A princípio, os nipo-americanos foram colocados em campos provisórios e improvisados enquanto os campos definitivos estavam sendo construídos. Ao todo, foram construídos dez campos de concentração em diferentes estados americanos: Califórnia, Idaho, Wyoming, Utah, Arizona, Arkansas e Colorado. A administração desses campos foi entregue à agência governamental War Relocation Authority (WRA), que, em tradução livre, significa “Autoridade de Relocação de Guerra”.

A vida nos campos era dura, pois foram construídos grandes alojamentos que agrupavam várias famílias, portanto, não havia nenhum tipo de privacidade. Além disso, os detentos tinham atendimento hospitalar bastante limitado e compartilhavam refeitórios, lavatórios e banheiros. Escolas, igrejas e ferramentas em geral tiveram de ser construídos pelos internos.

Após a guerra, os campos de concentração foram desmontados, e os internos foram libertados. No entanto, os nipo-americanos receberam pouco ou nenhum auxílio do governo, e a maioria não conseguiu reaver o estilo de vida ou a prosperidade que possuía antes da guerra. Aqueles que foram presos somente receberam uma compensação décadas depois, quando o presidente Ronald Reagan indenizou os sobreviventes em 20 mil dólares e formalizou um pedido de desculpas governamental.

|1| VAN SANT, John E. Pacific Pioneers: Japanese Journeys to America and Hawaii, 1850-80. Urbana: University of Illinois Press, 2000, p. 3.

|2| PÉTURSSON, Erlingur Þór. Japanese American Internment: a Great Injustice, p. 12.

*Créditos da imagem: Everett Historical e Shutterstock


Por Daniel Neves Silva
DESTAQUES
Confira os destaques abaixo

..................................................

Herbário
Os herbários são importantes no estudo da biodiversidade?

..................................................

Neblina
Afinal, o que é a neblina e como ela se forma? Leia aqui!

..................................................