EUA e a Marcha para o Oeste

A Marcha para o Oeste, no século XIX, foi efetivada pelo governo norte-americano e pela crença da população no ‘Destino Manifesto’
A Marcha para o Oeste, no século XIX, foi efetivada pelo governo norte-americano e pela crença da população no ‘Destino Manifesto’
PUBLICIDADE

Após as incansáveis lutas travadas entre os colonos (das Treze Colônias Inglesas) e as tropas inglesas (que representavam a Coroa inglesa) pela independência dos Estados Unidos, no século XVIII, a legitimidade da independência dos Estados Unidos somente foi reconhecida pela Inglaterra no ano de 1783. Em 1789, os norte-americanos elegeram o seu primeiro presidente George Washington, afastando de vez a ameaça do colonizador inglês.

Uma das primeiras medidas estipuladas pelo presidente George Washington foi o grande empenho para o desenvolvimento da indústria e das atividades agrícolas. Essas atividades levaram à Marcha para o Oeste.

O desejo de ocupar os territórios a oeste, além dos Montes Apalaches, surgiu tanto do governo (que anexou vários territórios aos Estados Unidos) quanto da população (pois os colonos tinham a crença no documento chamado ‘destino manifesto’, em que os norte-americanos seriam o povo escolhido de Deus para ocupar os territórios entre o Oceano Atlântico e o Pacífico).

Daremos ênfase nessas duas principais causas citadas acima, que fizeram com que os norte-americanos ocupassem os territórios a oeste. O primeiro motivo da anexação dos territórios a oeste partiu do governo: a expansão territorial foi motivada pela busca de terras férteis e pelo crescimento da população. Dessa forma, o governo incorporou novos territórios. Segue abaixo a sequência das incorporações:

1º) No ano de 1803 ocorreu a incorporação da região da Louisiana, território que se encontrava na margem direita do rio Mississipi. O governo dos Estados Unidos pagou cerca de 5 milhões de dólares à França por esse território;

2º) A região da Flórida foi incorporada no ano de 1819, após ser comprada da Espanha por 15 milhões de dólares;

3º) Em 1845, os Estados Unidos admitiram a anexação do Texas, após este ter declarado independência do México, no ano de 1836;

4º) De 1846 a 1848, os Estados Unidos incorporaram enormes territórios a oeste, inclusive a Califórnia (litoral do Pacífico), após terríveis conflitos contra o México;

5º) No ano de 1867, os Estados Unidos compraram por 7,2 milhões de dólares a região do Alasca da Rússia.

Durante o decorrer do século XIX, a política norte-americana foi praticamente voltada para a expansão territorial, com a chamada Marcha para o Oeste. Os territórios que formavam os Estados Unidos atingiram aproximadamente uma região de 7,8 milhões de quilômetros quadrados, compondo um total de 33 estados.

No final do século XVIII, a crença da população no ‘destino manifesto’(confira acima) fez com que o governo norte-americano autorizasse a expansão rumo ao interior. No ano de 1862 foi aprovada a Lei do Povoamento (Homestead Act). Com essa lei, foram ofertadas, por pequenas quantias, pequenas propriedades. Dessa maneira, o governo incentivou a ocupação do interior do país.

A política de expansão territorial e a Marcha para o Oeste, realizadas pelo governo norte-americano, no século XIX, levaram à atual configuração territorial dos EUA. A incorporação das terras a oeste foi efetivada pelo genocídio indígena (grande parte das terras foi tomada dos índios), por meio da compra de terras, de acordos diplomáticos e através das guerras contra o México.


Por Leandro Carvalho
DESTAQUES
Confira os destaques abaixo

..................................................

Gráfico de Setores
Como um gráfico de setores deve ser feito? Confira mais!

..................................................

Verbo Pôr
Retire todas suas dúvidas em relação a esse verbo. Clique!

..................................................