História da Páscoa

A História da Páscoa está diretamente associada à história da tradição judaico-cristã, mas também se relaciona com o universo dos antigos cultos pagãos da Europa.

A Páscoa é tida como a principal data da tradição cristã, pois representa a Ressurreição de Cristo
A Páscoa é tida como a principal data da tradição cristã, pois representa a Ressurreição de Cristo
Por Cláudio Fernandes
PUBLICIDADE

O dia da Páscoa, no mundo contemporâneo globalizado, está diretamente associado a alguns símbolos que, não raro, desconhecemos completamente o sentido e que acabam por atender apenas a diretrizes comerciais. É o caso, principalmente, do ovo de Páscoa, do qual nos valemos para presentear nossos amigos e familiares. Entretanto, o sentido mais profundo da Páscoa e também dos símbolos a ela atrelados só pode ser compreendido se levarmos em conta a história da tradição judaico-cristã. A história da Páscoa é indissociável dessa tradição.

Para antigos hebreus, bem como para os judeus modernos, a Páscoa (Pessach, em hebraico) representa o dia em que, liderados por Moisés, o “Povo eleito” conseguiu fugir da tirania egípcia, da qual foi feito escravo por cerca de quatro séculos. A pessach, “passagem” da escravidão à liberdade em direção à “Terra Prometida”, é narrada no livro do Êxodo – um dos cinco livros da Torá, ou Pentateuco para os cristãos. Com o advento de Cristo, no seio da tradição hebraica, o sentido da Páscoa passou a assumir uma nova configuração. A Páscoa passou a ser identificada com o dia da Ressurreição de Cristo, após a Paixão e a morte na cruz.

Para a tradição cristã, do mesmo modo que Moisés libertou o povo hebreu do jugo egípcio, Cristo morreu na Cruz para ressuscitar no terceiro dia e livrar toda a humanidade da prisão do pecado e da morte, à qual está sujeita desde a “queda” (simbolizada pela expulsão do Paraíso – narrativa presente no livro do Gênesis). A Páscoa, entendida como Ressurreição de Cristo, seria a vitória sobre a morte e o mal e única via de passagem para a vida eterna.

Pois bem, esse é o sentido estritamente religioso da Páscoa para a tradição judaico-cristã. A data da Páscoa passou a ser fixada no calendário cristão após deliberação do Concílio de Niceia, realizado em 325 d.C. O dia escolhido seria sempre o primeiro domingo após o equinócio de primavera europeu, podendo recair em algum dos domingos entre a segunda metade de março e início de abril. O equinócio de primavera, no hemisfério Norte, marca o auge do “renascimento” da vida natural (reflorescimento, reprodução dos animais etc.) após o período do longo inverno. Entre outras coisas, esse simbolismo natural motivou a escolha dessa data pela Igreja Primitiva.

O mesmo simbolismo acima citado já era utilizado como referência para cultos pagãos a deuses associados à fertilidade, sobretudo no norte da Europa. Uma das principais deusas da fertilidade, no contexto pagão europeu, era Eostre, ou Easter, ou ainda Ostera (o nome varia de acordo com a região). A essa deusa eram dedicados festivais em que se pintavam ovos de aves, como a galinha, para oferecer como presente no equinócio da primavera. Coelhos e lebres também eram símbolos dessa deusa, pois eram os primeiros animais a se reproduzir após o inverno.

Com o tempo, os símbolos pagãos do coelho e do ovo foram assimilados pelos cristãos europeus como símbolos da Páscoa, haja vista que representam o mesmo sentido: o renascimento da morte, isto é, a Ressurreição. Apesar de esse sentido encontrar-se, no mundo atual, sufocado pelo consumismo, o que obscurece a data da Páscoa, é interessante refletir sobre sua profundidade, principalmente sobre essas conexões culturais tão diversas.


Por Cláudio Fernandes
DESTAQUES
Confira os destaques abaixo

..................................................

Religião viking
Que tal conhecer aspectos interessantes dessa religião?

..................................................

Estrangeirismo
Afinal, estrangeirismo é mesmo necessário? Leia o nosso artigo!

..................................................