Legado Romano

A civilização romana influenciou e influencia diversos povos, é inegável o legado romano para humanidade.

Cultos religiosos públicos realizados pelos romanos.
Cultos religiosos públicos realizados pelos romanos.
Por Rainer Sousa
PUBLICIDADE

Ao longo de sua história, a cultura romana foi nitidamente influenciada por diferentes povos. Muitas dessas trocas culturais desenvolveram-se com mais intensidade na medida em que o processo de expansão territorial romano foi ganhando maiores proporções. Mesmo estes chamando os estrangeiros de bárbaros, termo que diferenciava aqueles que não sabiam falar o latim, os romanos foram marcados principalmente pelas civilizações da própria Península Itálica.

POLÍTICA
No campo político, a questão do Estado e da cidadania fundava diversas concepções do cenário político romano. Saudar e defender Roma eram grande prova da valorização que o indivíduo tinha pela glória e o respeito às tradições do povo romano. Ao mesmo tempo, a organização da sociedade romana tinha muitos de seus aspectos vinculados às leis que regiam os mais diferentes temas do cotidiano romano. As leis eram formadas por diferentes códigos.

O Jus Civile era o principal conjunto de leis e era inspirado nos mais antigos costumes e tradições romanas. Desprovidos das mesmas benesses jurídicas, os estrangeiros tinham um código de leis próprio chamado Jus Gentium. Com relação às relações familiares, o direito romano destinava o Jus Publicum. A tradição jurídica em Roma consolidou diversas escolas de Direito que formavam os juristas responsáveis pelos processos jurídicos da época. Conservando seus princípios ao longo dos tempos, o Direito Romano influenciou a cultura jurídica de diferentes povos europeus.

RELIGIÃO
No campo religioso, os romanos dividiam sua prática religiosa entre os cultos particulares e públicos. Muitos dos cultos eram destinados aos gênios, espíritos e elementos da natureza. Os lares eram as divindades que tomavam conta da família e os penates zelavam da alimentação e dos bens materiais. Comidas e bebidas eram oferecidas em pequenos altares que reuniam os ícones representativos de cada uma das divindades.

Além dos deuses, os romanos também davam grande importância à reverência a seus antepassados que, mesmo depois de sua morte, poderiam conceder proteção e bênçãos aos seus sucessores. A classe sacerdotal romana contava com diferentes tipos de líder espiritual. Os vestais era um grupo formado por jovens que deviam manter acesa a chama do fogo sagrado, que atraia a atenção das divindades. Os flâmines eram sacerdotes responsáveis pelo culto de um deus específico. Os augures comunicavam-se com os deuses através de rituais sagrados e da observação da natureza. Por fim, haviam os feciais, que cuidavam do sucesso na relação com outros povos e nas guerras.

O culto romano ainda contava com um líder supremo chamado Pontífice Máximo. Sua principal incumbência era de controlar a passagem do tempo, garantir a regularidade das festas religiosas e recolher toda e qualquer manifestação útil na interpretação da vontade dos deuses. Com o passar do tempo, a religiosidade romana incorporou, com outros nomes a tradição religiosa do mundo grego. O deus Júpiter era equivalente ao maior dos deuses, e era esposo de Juno. Plutão era a divindade do além-vida, Netuno controlava os mares, Ceres era o deus das colheitas, Diana regia a Natureza e Marte representava a guerra.

COTIDIANO
Nos meios urbanos, diversas manifestações artísticas e esportivas eram desenvolvidas. A luta entre gladiadores, a corrida de bigas, o teatro e o jogo de dados eram algumas das atividades desempenhadas pelos romanos. A maioria da população vivia em casas bastante simples construídas em edificações de pequeno porte. Somente os mais abastados desfrutavam de uma ampla residência dotada de elementos decorativos, salas de banho, água encanada e rede de esgoto. As obras públicas demonstravam a habilidade dos romanos na construção de aquedutos, arcos e esgotos. Influenciados pelo padrão estético grego, prestigiavam as esculturas e a simetria das formas.

Entre homens e mulheres havia uma forte distinção que nos indica a feição patriarcal da cultura romana. Os homens podiam aprender a ler e escrever o latim e dominar conhecimento sobre matemática, arquitetura, religião, geografia e astronomia. Já as mulheres eram educadas com o claro propósito de exercerem funções domésticas ligadas a casa e os filhos. A educação regular romana era um privilégio para poucos, os jovens mais pobres reduziam seus saberes à prática da agricultura e do artesanato. Nessas mesmas classes menos privilegiadas, as mulheres podiam trabalhar ao lado do marido ou administrar um negócio próprio.


Por Rainer Sousa
DESTAQUES
Confira os destaques abaixo

..................................................

Religião viking
Que tal conhecer aspectos interessantes dessa religião?

..................................................

Estrangeirismo
Afinal, estrangeirismo é mesmo necessário? Leia o nosso artigo!

..................................................