Napoleão Bonaparte

Napoleão Bonaparte foi a principal personagem histórica atuante na transição da Idade Moderna para a Idade Contemporânea, sobretudo por transformar radicalmente o mundo ocidental.

Napoleão Bonaparte foi praticamente o responsável pelo surgimento do que hoje denominamos de “Idade Contemporânea”
Napoleão Bonaparte foi praticamente o responsável pelo surgimento do que hoje denominamos de “Idade Contemporânea”
Por Cláudio Fernandes
PUBLICIDADE

As grandes personalidades da história caracterizam-se pela capacidade de exercer influência nos campos da mentalidade e das estruturas políticas e sociais, tanto em sua época quanto nas épocas posteriores. Napoleão Bonaparte (1769-1821) foi uma dessas personalidades. Ele foi praticamente o responsável pelo surgimento do que hoje denominamos de “Idade Contemporânea”. Suas habilidades nos campos militar e político transformaram o mundo ocidental e deram um novo mapa ao continente europeu. A figura de Napoleão foi, por décadas, venerada e execrada com a mesma intensidade, em grande parte em virtude da nova concepção de Estado por ele solidificada, isto é, o Estado Nacional e Cidadão, que começou a ser delineado nos primeiros anos da Revolução Francesa e sobrepôs-se ao modelo absolutista.
 

  • A ascensão de Napoleão Bonaparte

É sabido que o processo da Revolução Francesa, que sobreveio para dar legitimidade política para a burguesia, logo evoluiu para a fase da Convenção Nacional, que teve como característica, a partir de 1793, a política do Terror Jacobino. Na fase do terror, as batalhas revolucionárias já estavam presentes em todos os domínios do ex-Estado Absolutista francês, incluindo os reinos italianos, nos quais atuava o jovem general Napoleão Bonaparte. Napoleão era italiano, nascido em Córsega – filho de uma família aristocrática decadente, porém súdita do rei francês. Como a maior parte dos jovens aristocratas, Napoleão recebeu formação militar na Escola Militar de Paris, na qual se especializou em artilharia.

A primeira grande manobra militar operada por Napoleão foi o chamado cerco de Toulon (1792), em que esteve no comando da artilharia. Com esse feito, suas habilidades como estrategista de guerra começaram a se tornar notórias. Por estar ligado ao Terror Jacobino, Napoleão foi preso em 1794, quando esse regime de governo começou a ruir. Porém, a burguesia moderada que lutava pela instalação do Diretório acabou por retirar Napoleão da prisão, pois precisava de sua atuação no campo de batalha. De 1795 a 1799, Napoleão destacou-se sobre os demais generais da França nas batalhas que travou na Itália e no norte da África, como a Batalha das Pirâmides, no vale de Gizé.

  • Início da Era Napoleônica

Em 1799, a fase do Diretório teve fim por meio do golpe de Estado conhecido como 18 de brumário e teve início o período do Consulado, regido por três cônsules, sendo um deles Napoleão. Os outro dois, Roger Ducos e Emmanuel Sieyès, não possuíam voz ativa frente à autoridade de Napoleão, que passou a combinar as suas habilidades militares com uma grande desenvoltura administrativa (marcada pela criação do Código Napoleônico), atravessada por uma política autoritária. Nessa fase começou, de fato, a Era Napoleônica. A fase do Consulado durou até 1804, quando, por meio de um plebiscito, houve a restituição da monarquia e Napoleão tornou-se imperador.

  • Império Napoleônico

Para confirmar o status de imperador da França, em 02 de dezembro de 1804, ocorreu na Catedral de Notre-Dame a cerimônia de coroação, na qual Napoleão tomou das mãos do papa a coroa e autocoroou-se, em um gesto de demarcação política, isto é, ninguém estava acima do imperador, nem mesmo a Igreja. Esse gesto demonstrava ao velho mundo ocidental um novo modelo de império, isto é, um império que não mais precisava da anuência do papado para se sustentar no poder – tal como ocorria com o Sacro Império Romano-Germânico.

Com o ato de autocoroar-se, Napoleão assinalou que ninguém estava acima do imperador, nem mesmo a igreja
Com o ato de autocoroar-se, Napoleão assinalou que ninguém estava acima do imperador, nem mesmo a Igreja

No período imperial, o exército napoleônico, conhecido como “Grande Armeè”, conseguiu grandes vitórias até o ano de 1812, considerado o ano do triunfo de Napoleão, haja vista que a extensão de seu império abrangia praticamente toda a Europa. O exército napoleônico caracterizava-se por ser formado de cidadãos, de homens vindos de todas as camadas sociais e de todas as regiões do império. Não era um exército profissional e aristocrático, como ocorria no regime absolutista, nem um exército que lutava por um rei, mas, sim, por uma nação, a “Nação Francesa.” Com esse exército, Napoleão tornou-se durante uma década praticamente invencível, tendo conseguido expandir seu império por vastas regiões, governando cerca de 50 milhões de pessoas. Entre as principais batalhas travadas pelo exército napoleônico estava a de Austerlitz, na qual Rússia e Áustria enfrentaram a França, em 1805, e perderam.

Uma das principais ações do imperador Napoleão foi o decreto do Bloqueio Continental contra a Inglaterra. A Inglaterra era a força política que mais oferecia resistência ao expansionismo Napoleônico, sobretudo em virtude de sua potente marinha. Os ingleses não concordavam com os métodos de expansão do Império Francês, que era herdeiro das ideias da Revolução Francesa, também encarada com reservas pelos representantes políticos ingleses. Sendo uma ilha, a Inglaterra impunha-se ao exército napoleônico, que não era capaz de atacá-la pelo entrave geográfico, e impunha-se também à marinha de Napoleão, que não fazia frente às poderosas esquadras britânicas.

Tendo perdido a batalha marítima de Trafalgar, em 1805, e não podendo, então, enfrentar os ingleses por terra, a estratégia que restou a Napoleão foi o bloqueio econômico do continente europeu contra os britânicos. Esse "Bloqueio Continental" consistiu no impedimento das nações europeias que estavam sob a influência de Napoleão de comercializarem os seus produtos com a Inglaterra, bem como de importarem desta os produtos que ela comercializava. Napoleão, com isso, pretendia conseguir por via econômica o que não havia conseguido pela via bélica: enfraquecer e subjugar os britânicos.

Outro ponto importante a se destacar da fase imperial foi o fato de o imperador austríaco, Francisco I, depois de várias derrotas para Napoleão, ceder a mão de sua filha, Maria Luísa da Áustria, em casamento a Napoleão como forma de acordo político e de trégua. Napoleão encarava o casamento com uma nobre austríaca o “passaporte” que legitimaria o seu status de imperador frente às casas aristocráticas tradicionais da Europa. Além disso, Francisco I ainda teve de ceder territórios para a França, o que resultava em um conjunto de humilhações que, posteriormente, serviria de motor para um contra-ataque ao Império Francês.

  • Declínio do Império Napoleônico

A partir de 1813, o império napoleônico começou a entrar em declínio. A Rússia havia rompido com Napoleão, negando-se a continuar com o Bloqueio Continental contra os ingleses. Napoleão enviou seu exército para combatê-la, o que resultou em uma derrota histórica, sobretudo pelas condições climáticas oferecidas pelo inverno russo. O Império Austríaco, aproveitando o enfraquecimento do exército napoleônico, uniu-se com os principados alemães, a Rússia e a Inglaterra para combater Napoleão, o que ocorreu em 1815, quando a França foi invadida. Napoleão conseguiu fugir do exílio e reunir suas tropas para retomar o poder – esse episódio ficou conhecido como “O Governo dos Cem Dias”. A Batalha que pôs fim definitivamente ao império napoleônico foi a de Waterloo, travada em solo belga.

Acima, desenho representando Napoleão em seu exílio definitivo na ilha de Santa Helena
Acima, desenho representando Napoleão em seu exílio definitivo na ilha de Santa Helena

Mais uma vez Napoleão foi mandado ao exílio, mas dessa vez na ilha de Santa Helena, no hemisfério Sul do oceano Atlântico, sob supervisão da marinha inglesa. Sua morte ocorreu nessa ilha, em 1821.


Por Cláudio Fernandes
DESTAQUES
Confira os destaques abaixo

..................................................

Genocídio
O genocídio é considerado crime contra a humanidade?

..................................................

Ilusão de ótica
Descubra se há relação entre a ilusão de ótica e a matemática.

..................................................