Revolta de Espártaco

O exército de escravos chegou ao contingente de mais de 100 mil homens
O exército de escravos chegou ao contingente de mais de 100 mil homens
Por Leandro Carvalho
PUBLICIDADE

Durante a República Romana (509 a 27 a.C.), as conquistas militares provocaram significativas transformações na sociedade, ou seja, na vida social, econômica e política daquela região. Esse fator influenciou diretamente na expansão da escravidão em Roma, em consequência das conquistas militares (prisioneiros de guerra que viraram escravos) e do empobrecimento da população, surgindo a escravidão por dívidas. O tema que abordaremos neste texto será a Revolta de Espártaco, considerada a maior rebelião de escravos da Antiguidade.

O trabalho escravo era a base que sustentava a economia da República Romana. Os escravos trabalhavam nas construções públicas (monumentos, estradas, aquedutos), nas pedreiras, nas minas, na agricultura, no artesanato e também exerciam trabalhos domésticos.

Na escravidão antiga, conforme citado acima, as pessoas se tornavam escravas por dois principais motivos: primeiro, tornando-se prisioneiras de guerra dos romanos ou contraindo dívidas. Portanto, a escravidão na Antiguidade não compartilhava com a discriminação e preconceito racial da escravidão negra africana do período moderno.

Os escravos mais instruídos em Roma exerciam a função de professor dos filhos das famílias abastadas e trabalhavam nas instituições públicas romanas. Já os escravos sem instrução trabalhavam nas minas, nas pedreiras e nas fazendas. Eles eram os mais explorados e, por isso, sua expectativa de vida era baixíssima (viviam poucos anos).

Além de exercer o trabalho escravo para seus senhores, os escravos em Roma sofriam com castigos e torturas (sofriam duras surras, queimaduras, eram aprisionados em jaulas e se a desobediência permanecesse ou se cometessem faltas graves, geralmente eram crucificados).

Toda a situação de exploração e castigos causou a crescente insatisfação dos escravos. Espártaco foi a peça chave da revolta de escravos que aconteceu na República Romana. Ele havia sido capturado no norte da Grécia (quando se tornou escravo dos romanos) e em Roma fora escolhido para ser um Gladiador (os gladiadores eram escravos treinados para lutar entre si, promovendo espetáculos para a população romana).

No ano de 73 a.C., Espártaco saiu em fuga com outros 74 gladiadores. Juntos formaram um exército com a adesão de milhares de outros escravos que viviam em Roma. Alguns estudiosos chegam a falar que o exército formado por Espártaco reuniu aproximadamente 100 mil homens, ameaçando seriamente a instituição da escravidão durante a República Romana.

O exército de escravos liderado por Espártaco chegou várias vezes a vencer as legiões do exército romano no sul da Itália. No ano de 71 a.C., o exército romano empreendeu uma grande força tarefa, vencendo os rebeldes. Mais de 6000 escravos foram crucificados e o líder Espártaco morreu em combate. Dessa maneira, no ano de 71 a.C., a maior revolta de escravos do mundo antigo, e que abalou as estruturas do escravismo em Roma, chegou ao fim.


Por Leandro Carvalho
DESTAQUES
Confira os destaques abaixo

..................................................

Herbário
Os herbários são importantes no estudo da biodiversidade?

..................................................

Neblina
Afinal, o que é a neblina e como ela se forma? Leia aqui!

..................................................