URSS x China Socialista

Khrushchev e Mao em uma das últimas reuniões que antecederam o rompimento entre chineses e soviéticos.
Khrushchev e Mao em uma das últimas reuniões que antecederam o rompimento entre chineses e soviéticos.
Por Rainer Sousa
PUBLICIDADE

Em 1949, os trabalhadores chineses organizaram e venceram o conflito que estabeleceu a formação da República Popular da China. Tomado por orientação nitidamente comunista, o novo governo teria peso e importância política fundamental para que um bloco de nações socialistas tomasse corpo no contexto político internacional. Afinal, a União Soviética era o único país de grande expressão capaz de fomentar a presença de governos socialistas pelo mundo.

Inicialmente, notamos que a experiência revolucionária chinesa foi abertamente apoiada pelo governo socialista soviético. Até o ano de 1954, os soviéticos apoiavam a China com a realização de diversos acordos de cooperação econômica que vieram a fortalecer a econômica do recém formado Estado de esquerda. No entanto, a partir de 1957, essa relação de cooperação política e econômica chegou ao seu fim quando o governo soviético passou a ser liderado por Nikita Khrushchev.

Sob o comando de Khrushchev, a União Soviética passou a vivenciar uma política de reforma de várias ações tomadas por Josef Stalin e a abertura de diálogo com as nações capitalistas. Essa nova situação abriu caminho para uma grave crise entre soviéticos e chineses. O primeiro sinal desse abalo aconteceu em 1959, quando a União Soviética decidiu romper o compromisso de fornecer armas nucleares aos chineses para então viabilizar um encontro com o presidente norte-americano Dwight Eisenhower.

Enquanto o governo soviético se preocupava em desenvolver o setor de bens de consumo e enfraquecer a ideia de Stalin como grande líder do socialismo soviético, os chineses buscavam a formação de sua indústria de base em uma época em que a veneração à figura de Mao Tse-Tung atingia o seu auge. Assim, percebemos que as duas grandes nações socialistas dessa época viviam momentos distintos em várias esferas de atuação política.

O auge dessa crise acabou sendo consumado no ano de 1962, quando o Partido Comunista Chinês declarou abertamente que o Partido Comunista da União Soviética praticava um socialismo de natureza revisionista. Tal acusação sugeria que os soviéticos deturpavam as doutrinas socialistas a favor de ações que não estariam de acordo com as ideias dos grandes pensadores socialistas. Legítima ou não, a acusação acabou servindo de justificativa para que as relações entre os países fossem rompidas.

Ao chegarmos à década de 1970, percebemos que a diferença de comportamento que diferenciava chineses e soviéticos sofreu uma curiosa mudança. Naquela década, o governo chinês, já não mais sob a tutela de Mao Tse-Tung começou a abrir portas para um diálogo com os Estados Unidos. Além da simples aproximação diplomática, percebemos que a China passou, também, a abrir portas para ações econômicas de natureza capitalista que viessem a fortalecer o país.

Por outro lado, o imobilismo e a grande estrutura burocrática soviética foram responsáveis por uma grande crise econômica que acabou forçando a extinção do socialismo no país. No governo de Mikhail Gorbachev foram tomadas medidas diversas que modernizaram as instituições políticas da União Soviética e estabeleceram a introdução do capitalismo no seu território. Somente no ano de 1986 foi que chineses e soviéticos se reaproximariam.


Por Rainer Sousa
DESTAQUES
Confira os destaques abaixo

..................................................

Soluções
Revise os seus conhecimentos sobre tipos de soluções.

..................................................

Olho humano
Conheça os nomes das estruturas que formam os olhos.

..................................................