Vitórias japonesas na Segunda Guerra Mundial (1941-1942)

A Segunda Guerra Mundial na Ásia teve uma primeira fase marcada pelas rápidas vitórias do exército japonês sobre as colônias do Reino Unido e Holanda.

Antes do sudeste asiático o Japão havia invadido e conquistado a China desde 1937
Antes do sudeste asiático o Japão havia invadido e conquistado a China desde 1937
Por Daniel Neves Silva
PUBLICIDADE

A Segunda Guerra Mundial na Ásia iniciou-se a partir do ataque japonês à base naval de Pearl Harbor, no Havaí, em 7 de dezembro de 1941. Entretanto, o Japão já estava em guerra desde 1937, na Segunda Guerra Sino-japonesa. Veja como foi a primeira fase do cenário de guerra na Ásia e no Oceano Pacífico, período marcado pelas vitórias japonesas e pela rápida expansão do Império Japonês.

Ataque a Pearl Harbor

A guerra entre Estados Unidos e Japão teve início após o ataque à base naval de Pearl Harbor, em 7 de dezembro de 1941. O plano de ataque surpresa havia sido organizado pelo almirante Isoruku Yamamoto, e o ataque liderado pelo almirante Chuichi Nagamo resultou na morte de mais de 2 mil soldados americanos, além da destruição de muitos navios. Veiculado pela imprensa japonesa como um grande sucesso, o ataque contentou a expectativa de muitos japoneses que desejavam uma guerra contra os Estados Unidos desde a década de 1920. Entretanto, apesar de não ter alcançado os seus objetivos na totalidade (a destruição total da frota americana no Havaí), Pearl Harbor serviu como uma pequena e temporária vitória estratégica do Japão com a destruição parcial da frota americana.

Vitórias japonesas no sudeste asiático

O estado geral das tropas britânicas nas colônias do sudeste asiático era extremamente modesto. O Reino Unido havia posicionado suas melhores tropas na Europa e no Oriente Médio. Em razão disso, os seis primeiros anos de guerra contra o Japão foram considerados um desastre total. Em dezembro de 1941, o Japão atacou Cingapura, Malásia e Hong Kong. Além disso, o Japão invadiu e dominou rapidamente a Tailândia.

O ataque japonês a Cingapura, Malásia e Hong Kong foi fulminante. As defesas britânicas desmancharam-se rapidamente com os ataques pelos flancos. Isso porque as tropas japonesas embrenharam-se no meio da selva e de lá avançaram posições, estratégia que teria surpreendido os britânicos. Além disso, faltava o básico para as tropas britânicas e algumas divisões não possuíam armas para atacar os blindados japoneses.

Os exércitos coloniais formados por indianos e canadenses também pouco ajudaram, pois muitos fugiam desesperados, enquanto outros se rendiam sem oferecer a mínima resistência. Em mais ou menos 70 dias, o Japão já havia conquistado Cingapura, Malásia e Hong Kong dos britânicos. As conquistas japonesas no sudeste asiático foram acompanhadas de demonstrações de brutalidade, que marcaram o exército japonês durante toda a guerra: prisioneiros eram mortos indiscriminadamente e sujeitos a todo tipo de violência, e estupros ocorriam em grande número.

As vitórias em Cingapura e Malásia permitiram às tropas japonesas iniciar o ataque contra as Índias Holandesas Orientais (atual Indonésia), e a história repetiu-se: tropas locais mal preparadas e mal lideradas que, após os ataques, desfizeram-se facilmente, o que resultou em milhares de prisioneiros. Dessa forma, as Índias Holandesas Orientais foram conquistadas pelo Japão, que garantiu o controle de importantes fontes de petróleo.

Paralelamente a esses acontecimentos, houve a batalha na Birmânia. A Birmânia também estava sob o domínio britânico e sofreu os primeiros ataques em 23 de dezembro de 1941. Os interesses japoneses também consistiam em garantir o controle sobre as reservas materiais do país e fechar a chamada “rota da Birmânia”, rota terrestre por onde o exército americano enviava armas ao exército chinês, inimigo dos japoneses.

A história na Birmânia repetiu o que havia acontecido na Malásia e Cingapura: derrota humilhante para os britânicos. O exército britânico dispunha de pouco apoio aéreo, os comandantes eram inexperientes e a resistência oferecida pelas tropas britânicas e indianas era pequena. Apesar disso, a resistência britânica no país durou 127 dias e cerca de 13 mil britânicos morreram contra 4 mil japoneses.

Em pouco menos de seis meses, as vitórias japonesas foram colossais sobre o exército britânico. As perdas foram mínimas e, em um tempo relativamente curto, o Japão já controlava uma vasta região que oferecia inúmeros recursos para a guerra, principalmente petróleo e alimentos. O exército britânico, por sua vez, saiu com a imagem desgastada, pois suas defesas estavam muito mal preparadas e as retiradas ocorriam de forma desordenada.

Conclusão

As rápidas vitórias sobre as colônias inglesas e holandesas retrataram bem a preparação do exército japonês para a guerra. Os soldados japoneses, muitas vezes, marchavam mais de 20 quilômetros por dia e muitos receberam bicicletas e pedalavam durante todo o dia. Em batalha, o exército japonês também se mostrou altamente preparado e organizado por meio da estratégia de embrenhar-se na selva e impor medo nas tropas britânicas.

Apesar disso, essas vitórias disfarçaram uma realidade que o Japão ainda se negava a enxergar: uma guerra a longo prazo seria inviável para o país. A economia japonesa era muito modesta e não possuía capacidade de suportar tantas batalhas espalhadas por toda a Ásia e, muito menos, suportar a guerra contra os Estados Unidos e sua poderosa economia. Tanto que, depois dessas vitórias iniciais, o Japão conquistou as Filipinas dos Estados Unidos a duras penas e, em junho de 1942, os Estados Unidos já haviam virado a balança no conflito com vitória contra os japoneses na Batalha de Midway.


Por Daniel Neves Silva
DESTAQUES
Confira os destaques abaixo

..................................................

Herbário
Os herbários são importantes no estudo da biodiversidade?

..................................................

Neblina
Afinal, o que é a neblina e como ela se forma? Leia aqui!

..................................................