Literatura

A literatura é considerada como a arte da palavra
PUBLICIDADE

A proposta revelada diante deste intento – entender um pouco mais sobre a arte literária – nos remete a algumas afirmações proferidas por este ensaísta, jornalista e crítico literário – Afrânio Coutinho, assim manifestadas:

“A literatura, como toda arte, é uma transfiguração do real, é a realidade recriada através do espírito do artista e retransmitida através da língua para as formas, que são os gêneros e com os quais ela toma corpo e nova realidade”.

Tais dizeres, magníficos por sinal, permitem-nos compreender que a literatura, assim como todas as outras artes, se concebe como um produto social, ou seja, ela é fruto da experiência do artista que vive numa determinada época, cercado de ideologias, norteado por uma visão própria do mundo que o rodeia e, sobretudo, influenciado pelos ditames sociais de seu tempo. Sendo assim, aproveitando-se de tais pressupostos, ele decide expressar seu posicionamento diante de tudo isso e, assim, reinventa, recria essa realidade fazendo uso da própria palavra.

Mediante o atributo desse “reinventar” é que o texto literário, mesmo que se assemelhe aos outros por se utilizar da linguagem verbal, apresenta seus pontos divergentes, uma vez que nele predomina a função poética da linguagem, e, como tal, constatamos todo um trabalho com a linguagem. Para tanto, como o objetivo do artista é promover o prazer estético, ele usufrui de inúmeros recursos linguísticos, apostando assim no trabalho com o ritmo, com a sonoridade e no próprio uso das figuras de linguagem. Assim, ao analisarmos as palavras de Mário Quintana, constatamos que ele tão somente reafirma as que dissemos anteriormente. Vejamos:

Os poemas

Os poemas são pássaros que chegam
não se sabe de onde e pousam
no livro que lês.
Quando fechas o livro, eles alçam voo
como de um alçapão.
Eles não têm pouso
nem porto
alimentam-se um instante em cada par de mãos
e partem.
E olhas, então, essas tuas mãos vazias,
no maravilhoso espanto de saberes
que o alimento deles já estava em ti...

Fonte: QUINTANA, Mário. Esconderijos do tempo. Porto Alegre: L&PM,1980.


Não raro acontece quando nos atemos a uma das muitas criações de Carlos Drummond de Andrade, intitulada “A procura da poesia”, quando em um de seus versos ele nos revela:  

[...]
Chega mais perto e contemple as palavras.
Cada uma
tem mil faces secretas sob a face neutra
e te pergunta, sem interesse pela resposta,
pobre ou terrível, que lhe deres:
Trouxeste a chave?

[...]

A chave nada mais é que o poder da criação – intrínseco à capacidade imaginadora do artista que, indubitavelmente, não hesitará em abrir as portas e permitir que nos enveredemos por esse inimaginável mundo artístico. Diante dessa realidade, o intento maior da seção com a qual você compartilhará é permitir que estabeleça uma expressiva familiaridade com as figuras, levando-se em conta as eras literárias a que pertenceram, as quais representaram todo este cenário.

Aproveite essa oportunidade e deleite-se com as maravilhas, de forma singular, aqui ressaltadas!!!


Por Vânia Maria do Nascimento Duarte
DESTAQUES
Confira os destaques abaixo

..................................................

Pôde ou pode?
Será que apenas uma das expressões está correta?

..................................................

Migrações
Revise os seus conhecimentos sobre esse assunto. Clique!

..................................................