Metalinguagem na poesia

A metalinguagem é um recurso muito utilizado pelos poetas que, ao escreverem poemas sobre o fazer poético, tentam explicar para o leitor seus sentimentos diante das palavras.

Musa dos poetas, a poesia vira o próprio objeto de análise quando o assunto é a metalinguagem
Musa dos poetas, a poesia vira o próprio objeto de análise quando o assunto é a metalinguagem
Por Luana Castro Alves Perez
PUBLICIDADE

 [...] Como pequenina moeda de prata perdida para sempre na floresta noturna/Um poema sem outra angústia que a sua misteriosa condição de poema/Triste/Solitário/Único/Ferido de mortal beleza.”

(Trecho de O poema – Mario Quintana)

Escrever um poema é, como já dizia Drummond, “penetrar surdamente no reino das palavras”. Parece que a procura pela poesia é uma constante na vida dos poetas, que se dedicam à arte de escrever versos e também à arte de escrever versos sobre os próprios versos. Eis que surge a metalinguagem na poesia.

[...] Chega mais perto e contempla as palavras.
Cada uma
tem mil faces secretas sob a face neutra
e te pergunta, sem interesse pela resposta,
pobre ou terrível, que lhe deres:
Trouxeste a chave? [...]”

(Trecho do poema Procura da poesia, de Carlos Drummond de Andrade)

Afinal, o que é metalinguagem poética? A metalinguagem acontece quando a linguagem se debruça sobre si mesma: a poesia feita sobre a própria poesia. Quando o poeta reflete sobre o fazer poético, parece explicar para si mesmo e para os leitores o momento catártico que permeia a criação e dá vida a um poema. Selecionamos para você cinco poemas metalinguísticos em língua portuguesa, escritos em diferentes momentos por diferentes poetas. Boa leitura!

Catar feijão

    1.
      Catar feijão se limita com escrever:
      joga-se os grãos na água do alguidar
      e as palavras na da folha de papel;
      e depois, joga-se fora o que boiar.
      Certo, toda palavra boiará no papel,
      água congelada, por chumbo seu verbo:
      pois para catar feijão, soprar nele,
      e jogar fora o leve e oco, palha e eco.
     
      2.
      Ora, nesse catar feijão, entra um risco:
      o de entre os grãos pesados entre
      um grão qualquer, pedra ou indigesto,
      um grão imastigável, de quebrar dente.
      Certo não, quanto ao catar palavras:
      a pedra dá à frase seu grão mais vivo:
      obstrui a leitura fluviante, flutual,
      açula a atenção, isca-a com o risco. 

João Cabral de Melo Neto

Poesia

Gastei uma hora pensando um verso

que a pena não quer escrever.

No entanto ele está cá dentro

inquieto, vivo.

Ele está cá dentro

e não quer sair.

Mas a poesia deste momento

inunda minha vida inteira.

Carlos Drummond de Andrade

Autopsicografia

O poeta é um fingidor.
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.

E os que leem o que escreve,
Na dor lida sentem bem,
Não as duas que ele teve,
Mas só a que eles não têm.

E assim nas calhas de roda
Gira, a entreter a razão,
Esse comboio de corda
Que se chama coração.

Fernando Pessoa

De Gramática e de Linguagem

E havia uma gramática que dizia assim:
"Substantivo (concreto) é tudo quanto indica
Pessoa, animal ou cousa: João, sabiá, caneta".
Eu gosto das cousas. As cousas sim !...
As pessoas atrapalham. Estão em toda parte. Multiplicam-se em excesso.

As cousas são quietas. Bastam-se. Não se metem com ninguém.
Uma pedra. Um armário. Um ovo. (Ovo, nem sempre,
Ovo pode estar choco: é inquietante...)
As cousas vivem metidas com as suas cousas.
E não exigem nada.
Apenas que não as tirem do lugar onde estão.
E João pode neste mesmo instante vir bater à nossa porta.
Para quê? Não importa: João vem!
E há de estar triste ou alegre, reticente ou falastrão,
Amigo ou adverso...João só será definitivo
Quando esticar a canela. Morre, João...
Mas o bom mesmo, são os adjetivos,
Os puros adjetivos isentos de qualquer objeto.
Verde. Macio. Áspero. Rente. Escuro. luminoso.
Sonoro. Lento. Eu sonho
Com uma linguagem composta unicamente de adjetivos
Como decerto é a linguagem das plantas e dos animais.
Ainda mais: 
Eu sonho com um poema
Cujas palavras sumarentas escorram
Como a polpa de um fruto maduro em tua boca,
Um poema que te mate de amor
Antes mesmo que tu saibas o misterioso sentido:
Basta provares o seu gosto...

Mario Quintana

Profissão de fé

Invejo o ourives quando escrevo:
Imito o amor
Com que ele, em ouro, o alto relevo
Faz de uma flor.

Imito-o. E, pois, nem de Carrara
A pedra firo:
O alvo cristal, a pedra rara,
O ônix prefiro.

Por isso, corre, por servir-me,
Sobre o papel
A pena, como em prata firme
Corre o cinzel.

Corre; desenha, enfeita a imagem,
A ideia veste:
Cinge-lhe ao corpo a ampla roupagem
Azul-celeste.

Torce, aprimora, alteia, lima
A frase; e, enfim,
No verso de ouro engasta a rima,
Como um rubim.

Quero que a estrofe cristalina,
Dobrada ao jeito
De ourives, saia da oficina
Sem um defeito:

[...]
Assim procedo. Minha pena
Segue esta norma,
Por te servir, Deusa serena,
Serena Forma!

Olavo Bilac 


Por Luana Castro Alves Perez
DESTAQUES
Confira os destaques abaixo

..................................................

Teoria do Caos
Acesse e entenda o que essa curiosa teoria defende.

..................................................

Níveis tróficos
Conheça o papel de cada nível trófico na cadeia alimentar.

..................................................