O eu lírico

O eu lírico, entidade criada pelo autor/escritor como voz do discurso literário, pode receber outras denominações: eu poético e sujeito lírico.

Existem diferenças importantes entre o eu lírico e o eu biográfico nos textos literários
Existem diferenças importantes entre o eu lírico e o eu biográfico nos textos literários
Por Luana Castro Alves Perez
PUBLICIDADE

Quando entramos em contato com a Literatura, um universo de possibilidades surge diante de nossos olhos. A arte literária ressignifica as palavras, dando a elas sentidos incomuns ao subverter a semântica em verso e prosa. Essa linguagem tão peculiar, conhecida como linguagem literária, traz à tona uma voz diferente para o discurso, mas muito comum em poemas, o eu lírico.

O eu lírico recebe outras denominações: pode ser chamado de eu poético e também de sujeito lírico. Mas qual seria sua função no poema? Para quem não está tão habituado à linguagem literária, pode ser realmente difícil entender que a voz de um poema não precisa ser, necessariamente, a de seu autor. Observe um exemplo de eu lírico na canção de Caetano Veloso:

 

Esse cara

Ah, que esse cara tem me consumido
A mim e a tudo que eu quis
Com seus olhinhos infantis
Como os olhos de um bandido
Ele está na minha vida porque quer
Eu estou pra o que der e vier
Ele chega ao anoitecer
Quando vem a madrugada, ele some
Ele é quem quer
Ele é o homem
Eu sou apenas uma mulher .

(Caetano Veloso)

Na canção que você leu agora, temos um claro exemplo da manifestação do eu lírico, sobretudo porque ele é feminino. Os versos de Caetano retratam o ponto de vista de uma mulher, deixando ainda mais evidente a diferença entre o autor e o eu lírico. Quando lemos um poema, ou qualquer texto literário, percebemos a criação do artista, que pode desvincular-se de sua identidade e criar uma nova, que se apropria do texto. Há casos, contudo, em que o eu lírico cede lugar para o eu biográfico, ou seja, nesses textos, a voz real do autor pode ser “ouvida”. Observe o exemplo da manifestação do eu biográfico nos versos de Carlos Drummond de Andrade:

Confidência do itabirano

Alguns anos vivi em Itabira.
Principalmente nasci em Itabira.
Por isso sou triste, orgulhoso: de ferro.
Noventa por cento de ferro nas calçadas.
Oitenta por cento de ferro nas almas.
E esse alheamento do que na vida é porosidade e comunicação.

A vontade de amar, que me paralisa o trabalho,
vem de Itabira, de suas noites brancas, sem mulheres e sem horizontes.

E o hábito de sofrer, que tanto me diverte,
é doce herança itabirana.

De Itabira trouxe prendas diversas que ora te ofereço:
esta pedra de ferro, futuro aço do Brasil,
este São Benedito do velho santeiro Alfredo Duval;
este couro de anta, estendido no sofá da sala de visitas;
este orgulho, esta cabeça baixa…

Tive ouro, tive gado, tive fazendas.
Hoje sou funcionário público.
Itabira é apenas uma fotografia na parede.
Mas como dói!

É muito importante, para a melhor compreensão dos textos literários, que saibamos a diferença entre a pessoa real (o autor) e a entidade fictícia (eu lírico). O eu lírico nasce no momento da escrita, e essa entidade criada pelo autor é desprendida da lógica e da compreensão de si mesmo, elementos que não faltam quando a voz do poema é a voz do eu biográfico. Graças ao eu lírico, somos agraciados com a criatividade dos sentimentos poéticos, que tornam os textos literários ainda mais belos.


Por Luana Castro Alves Perez
DESTAQUES
Confira os destaques abaixo

..................................................

Religião viking
Que tal conhecer aspectos interessantes dessa religião?

..................................................

Estrangeirismo
Afinal, estrangeirismo é mesmo necessário? Leia o nosso artigo!

..................................................