Originalidade e senso comum

Originalidade e senso comum são aspectos absolutamente destoantes. Em uma produção textual, o aluno ou o candidato deve sempre apresentar ideias e argumentos autênticos.

O bom escritor deve evitar o uso de chavões e lugares-comuns, elementos que evidenciam a chamada “preguiça linguística”
O bom escritor deve evitar o uso de chavões e lugares-comuns, elementos que evidenciam a chamada “preguiça linguística”
Por Luana Castro Alves Perez
PUBLICIDADE

Escrever bem é um desafio e tanto para a maioria dos falantes da língua portuguesa: algumas pessoas possuem habilidades linguísticas; outras, nem tanto. Se você não foi agraciado com o dom de ajeitar palavras e ideias, não se desespere, existem técnicas de redação que podem tornar a escrita de textos uma missão possível. Para que você fique mais à vontade com o papel e a caneta na mão, o Alunos Online traz dicas de redação que vão ajudá-lo(a) a ser mais original.

Vamos falar um pouco mais sobre originalidade e senso comum nos textos escritos: ser autêntico é um dos grandes desafios para quem escreve, especialmente se você precisa escrever uma redação para concursos ou vestibulares. Imagine você quão insuportavelmente entediante deve ser a vida de um corretor que encontra as mesmas fórmulas, os mesmos chavões, os mesmos lugares-comuns nas centenas de textos que lê. Imaginou? Essa, infelizmente, é uma realidade, pois a maioria de nós, quando precisa escrever, revela uma preguiça linguística capaz de produzir verdadeiros absurdos. A originalidade reside no campo das ideias, e como dizia o poeta Renato Russo: “existem muitos formatos que só têm verniz e não têm invenção”. Isso quer dizer que conhecer bem a estrutura de uma redação, mas pecar na hora de expor argumentos, torna seu texto inócuo e superficial, como um objeto decorativo: apesar de bonito, não é funcional.

Para ser original, não é preciso apresentar ideias mirabolantes e teorias cuja prática só seria possível nos filmes de ficção científica, definitivamente não é isso que propomos. Para ser original, é preciso, antes de qualquer coisa, evitar o senso comum, que é formado por ideias rasas, desprovidas de maior problematização e análise. Quando não buscamos outras vozes, outras opiniões, outras leituras, estamos fadados a sermos meros reprodutores de argumentos: o que você ouve no telejornal transforma-se em verdade absoluta, disseminada incansavelmente por quem não se preocupa em conferir outras fontes para assim forjar sua própria opinião.

Quanto maior a sua bagagem de leitura, maior sua capacidade de argumentar e apresentar ideias originais
Quanto maior a sua bagagem de leitura, maior sua capacidade de argumentar e apresentar ideias originais

Vamos a um exemplo para que nossa dica fique mais “palpável”: a redação do Exame Nacional do Ensino Médio exige que o candidato escreva uma dissertação argumentativa sobre temas relacionados com nossa realidade social, sempre respeitando princípios como a cidadania, igualdade, liberdade e diversidade. Além disso, o candidato precisa apresentar uma proposta de intervenção eficiente, ou seja, é preciso estar bem informado sobre questões do dia a dia para então indicar possíveis soluções para o problema. Nesse tipo de texto, é muito comum encontrar chavões como “a conscientização da população” ou “é preciso conscientizar a população a respeito de...”, não importa se o assunto é Lei Seca ou a violência na sociedade brasileira. É um verdadeiro “festival da conscientização”, e por culpa do senso comum o candidato acaba expondo ideias prontas, típicas de uma argumentação genérica.

Quando um corretor (ou professor), já cansado de ler tantos textos parecidos, encontra um que finalmente subverte o senso comum, o que ele faz? Lê com maior interesse e valoriza os argumentos de quem escreveu. Para que você alcance um bom desempenho na modalidade escrita daqui por diante, nossa grande dica para a busca da originalidade nos textos escritos é: leia mais. Se você espera uma fórmula milagrosa que possa espantar o senso comum de seus textos, certamente se decepcionará, pois não existe nenhuma técnica capaz de substituir o poder de uma boa leitura. Dizer que “todo político é corrupto”, repetir que “as autoridades precisam se mobilizar”, que “a saúde pública é uma vergonha” ou que “a violência é uma chaga da sociedade”, entre outras generalizações tão inocentes quanto, apenas evidencia falta de argumentos e bases conceituais.

Não fique esperando soluções milagrosas ou dicas rasas que pretensamente facilitem o “caminho das pedras”. Leia, experimente toda sorte de gêneros textuais e lembre-se de que ninguém pode fazer isso por você!


Por Luana Castro Alves Perez
DESTAQUES
Confira os destaques abaixo

..................................................

Pôde ou pode?
Será que apenas uma das expressões está correta?

..................................................

Migrações
Revise os seus conhecimentos sobre esse assunto. Clique!

..................................................