Nacionalismo e identidade

O sentimento de nacionalismo e a construção de nossa identidade estão bastante próximos de nossa formação como sujeitos.

Para muitos, o sentimento de patriotismo representa grande parte de sua própria identidade
Para muitos, o sentimento de patriotismo representa grande parte de sua própria identidade
PUBLICIDADE

Entre os acontecimentos que constituíram o início da modernidade, o surgimento do sentimento de nacionalismo marcou o início de um processo de segregação espacial e social que transformou todo o processo de construção identitária do ser humano moderno.

Esse processo de segregação espacial e social, que divide e ao mesmo tempo interioriza o estranho e o comum, constitui uma das principais fontes de identidade cultural. O sociólogo jamaicano Stuart Hall (1932-2014) afirma que *“essas identidades não estão literalmente impressas em nossos genes”. As identidades nacionais são “formadas e transformadas no interior da representação”.

Em “A identidade cultural na pós-modernidade”, Hall apresenta o conceito de identidades culturais, que surgem a partir do sentimento de pertencimento do indivíduo a um determinado contexto, tendo como referência aspectos religiosos, culturais, raciais e nacionais. No entanto, para Stuart Hall, essas identidades desgastaram-se em nossa modernidade tardia, processo que o autor denomina de “crise de identidade”, em virtude das transformações condicionadas pela sociedade atual no processo de globalização.

As concepções de Hall e do sujeito na pós-modernidade caminham paralelas às análises de outro teórico social, Zygmmunt Bauman, acerca do sujeito “líquido” e sua situação no mundo social. Segundo Hall (2006), as sociedades do final do século XX sofreram mudanças estruturais, que se alargaram para transformações das “paisagens culturais”, diferenciando-se em sua construção em pontos históricos diferentes. A partir disso, Hall indica três formatos de identidade diferentes.

Formatos de identidades

A primeira é a identidade do sujeito do iluminismo, isto é, um sujeito que já nascia com predeterminações de caráter, expressando uma visão individualista, em que prevalecia a razão. A segunda é a identidade do sujeito sociológico, em que o sujeito se constitui pela interação com a sociedade. A terceira concepção é a identidade do sujeito pós-moderno, que não possui identidade permanente, mas fragmentada, sofrendo influências e sendo transformada, o que possibilita o desenvolvimento de novos sujeitos. A mudança que Hall descreve está na constituição do próprio sujeito pós-moderno, que assume variadas formas de identidade, e não apenas uma.

Nesse contexto, para Hall, a identidade nacional é um sistema simbólico que catalisa todas as demais modalidades de identidade (religiosas, étnicas etc.). Assim, a cultura nacional está carregada de significados. De acordo com Hall, “segue-se que a nação não é apenas uma entidade política, mas algo que produz sentidos - um sistema de representação cultural. As pessoas não são apenas cidadãos/ãs legais de uma nação; elas participam da ideia da nação tal como representada em sua cultura nacional”*.

*Referência: HALL, Stuart. A identidade cultural da pós-modernidade. 2006, Rio de Janiero: DP&A editora.


Por Lucas de Oliveira Rodrigues
DESTAQUES
Confira os destaques abaixo

..................................................

Freios ABS
Como funcionam os freios ABS? Resolva essa dúvida!

..................................................

Elementos Químicos
Nomes dos novos elementos químicos da tabela periódica.

..................................................