Violência contra a mulher

A violência contra a mulher acontece principalmente em casa, sendo parceiros e ex-parceiros, na maioria dos casos, os principais perpetradores desse tipo de crime.

A maioria absoluta dos casos de violência contra a mulher acontece em casa
A maioria absoluta dos casos de violência contra a mulher acontece em casa
PUBLICIDADE

A violência contra a mulher ainda é uma grande chaga em nossa sociedade. Os números de ocorrências como essa são os que mais chamam atenção. Segundo dados divulgados pelo Instituto Avon, em parceria com o Data Popular, três em cada cinco mulheres já sofreram violência em um relacionamento. Outro dado preocupante foi mostrado pela Organização Mundial de Saúde em conjunto com a Escola de Higiene Tropical de Londres, que revelou que cerca de 35% de todos os assassinatos de mulheres no mundo são cometidos por um parceiro íntimo.

No Brasil, números levantados pelo Mapa da violência de 2012: Homicídios de Mulheres no Brasil* colocaram o país em sétimo lugar em um ranking sobre violência contra a mulher em comparação com outros 83 países. A pesquisa ainda mostra que mais de 68,8% dos casos de violência ocorrem dentro de casa e, em 42,5% das ocorrências, o responsável pela agressão são parceiros ou ex-parceiros.

Embora esses mesmos problemas ainda persistam, as ações tomadas para solucioná-los, ainda que recentes, já mostram algum resultado. A Lei Maria da Penha, criada em 2006, foi um dos passos dados em direção à eliminação da violência doméstica de gênero. O estudo Avaliando a Efetividade da Lei Maria da Penha, realizado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e divulgado em 2015, mostra que a lei fez diminuir em 10% a taxa de homicídios domésticos.

O problema, porém, mostra ter raízes bastante profundas em nossa sociedade. Até sua mudança em 1962, o Código Civil brasileiro, de 1916, considerava que a mulher casada era considerada como incapaz do ponto de vista civil.

Art. 6. São incapazes, relativamente a certos atos (art. 147, n. 1), ou à maneira de os exercer:

I. Os maiores de dezesseis e menores de vinte e um anos (arts. 154 a 156).

II. As mulheres casadas, enquanto subsistir a sociedade conjugal.

III. Os pródigos.

IV. Os silvícolas.

Foi apenas em 1932 que o movimento pelo sufrágio feminino conseguiu conquistar o direito de voto para as mulheres. Todos esses fatos mostram-nos que o embate feminino por seus direitos, mesmo os mais fundamentais, como o de salvaguarda de seu bem-estar físico, ainda se desenrola em nossos dias. Os problemas relacionados com esse fato são bastante explícitos e, embora a situação tenha melhorado bastante nas últimas décadas graças ao embate travado pelos grupos dedicados à luta pela igualdade de direitos e contra a discriminação, há ainda muito o que se avançar.

*Referência: WAISELFISZ, Julio Jacobo. Mapa da Violência 2012: homicídios de mulheres no Brasil. São Paulo, Instituto Sangari, 2012. p. 16.


Por Lucas de Oliveira Rodrigues
DESTAQUES
Confira os destaques abaixo

..................................................

Renda Per Capita
Saiba como esse indicador de desenvolvimento é calculado.

..................................................

Química
Três formas de expressar o coeficiente de solubilidade.

..................................................