Alunos Online


Embolia pulmonar

Embolia pulmonar é um problema de saúde grave que pode levar à morte. Ocorre em decorrência da obstrução da artéria pulmonar ou de seus ramos.

Por: Vanessa Sardinha dos Santos A embolia pulmonar é causada pela obstrução da artéria pulmonar ou de seus ramos.

A embolia pulmonar é causada pela obstrução da artéria pulmonar ou de seus ramos.

Embolia pulmonar é um problema desencadeado pela obstrução da artéria pulmonar ou de seus ramos. Esse problema é extremamente grave e pode levar a pessoa à morte, sendo necessário, portanto, um tratamento rápido e eficaz. Quando não tratada, a embolia pulmonar apresenta letalidade de, aproximadamente, 30%.

Leia também: Enfisema pulmonar

O que é embolia pulmonar?

Embolia pulmonar, também chamada de tromboembolismo pulmonar, é um problema de saúde causado pela obstrução da artéria pulmonar ou de algum de seus ramos. Geralmente, a obstrução acontece em decorrência de coágulos sanguíneos vindos do sistema venoso profundo dos membros inferiores. Esses coágulos fixam-se nessas artérias, desencadeando uma redução do fluxo sanguíneo na área afetada. Além do sistema venoso profundo, os trombos também podem ser provenientes das veias pélvicas, renais e de membros superiores.

Sintomas da embolia pulmonar

Os sintomas da embolia pulmonar são variados e alteram de um paciente para outro, uma vez que dependem do local onde o trombo está localizado, de seu tamanho e das condições de saúde do paciente. Geralmente, os sinais e sintomas da embolia são muito inespecíficos, o que dificulta o diagnóstico do problema.

Entre os sintomas da embolia pulmonar que merecem destaque, podemos citar:

  • Dispneia (dificuldade para respirar);

  • Taquipneia (aumento do ritmo respiratório);

  • Dor torácica;

  • Síncope (perda temporária da consciência).

Dificuldade respiratória é um sintoma da embolia pulmonar.
Dificuldade respiratória é um sintoma da embolia pulmonar.

Esses sintomas podem aparecer de maneira conjunta ou de forma isolada. A dispneia é um sintoma bastante comum em pacientes com embolia pulmonar e pode surgir de maneira súbita ou evoluir com o passar dos dias. A síncope é um sintoma mais raro e preocupante, que está presente em casos mais graves de embolia.

Leia também: Tuberculose pulmonar

Além dos sinais e sintomas citados, os pacientes com embolia pulmonar podem apresentar tosse, hemoptise (expectoração de sangue vindo dos pulmões), taquicardia (aumento da frequência cardíaca), febre, cianose (coloração azulada da pele e das mucosas) e hipotensão arterial (pressão baixa).

Fatores de risco para embolia pulmonar

Pacientes que apresentam embolia pulmonar normalmente possuem fatores de risco para o desenvolvimento de tromboembolismo venoso. De acordo com a Diretriz de Embolia Pulmonar da Sociedade Brasileira de Cardiologia, os principais fatores de risco para tromboembolismo venoso são:

  • Trauma não cirúrgico e cirúrgico;

  • Idade maior que 40 anos;

  • Tromboembolismo venoso prévio;

  • Imobilização;

  • Doença maligna (câncer);

  • Insuficiência cardíaca;

  • Infarto do miocárdio;

  • Paralisia de membros inferiores;

  • Obesidade;

  • Veias varicosas;

  • Estrogênio;

  • Parto;

  • Doença pulmonar obstrutiva crônica.

Além dos fatores de risco descritos, não podemos deixar de citar as viagens aéreas. Grandes períodos de voo estão associados a um maior risco de desenvolvimento de embolia pulmonar. Recomenda-se, portanto, que, durante voos longos, o passageiro evite ficar totalmente imóvel, locomovendo-se sempre que possível. Também é recomendado que utilize meias elásticas.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Escore de Wells

Escore de Wells é um método utilizado para estimar a probabilidade de o paciente desenvolver embolismo pulmonar. Ele leva em conta alguns fatores de risco importantes para o desenvolvimento do problema. Veja a seguir as tabelas da Diretriz de Embolia Pulmonar da Sociedade Brasileira de Cardiologia usadas para a interpretação do risco de acordo com o Escore de Wells:

Escore de Wells

Critérios

                                   Pontos                                         

Suspeita de tromboembolismo venoso

3,0 pontos

Alternativa menos provável que embolia pulmonar

3,0 pontos

Frequência cardíaca > 100 bpm

1,5 ponto

Imobilização ou cirurgia nas 4 semanas anteriores

1,5 ponto

Tromboembolismo venoso ou embolia pulmonar prévia

1,5 ponto

Hemoptise (expectoração de sangue proveniente dos pulmões)

1,0 ponto

Malignidade (câncer)

1,0 ponto

 

Escore

Probabilidade de embolia pulmonar %

Interpretação do risco

0-2 pontos

3,6

Baixa

3-6 pontos

20,5

Moderada

> 6 pontos

66,7

Alta

Embolia pulmonar pós-cirurgia

Um dos fatores de risco para o desenvolvimento de embolia pulmonar são as cirurgias, principalmente aquelas que envolvem o quadril e os membros inferiores. Isso significa que pessoas que estão no pós-operatório apresentam risco aumentado de desenvolverem embolia pulmonar. No entanto, esses riscos podem ser diminuídos com medidas profiláticas.

Cirurgias são um fator de risco para o desenvolvimento de embolia pulmonar.
Cirurgias são um fator de risco para o desenvolvimento de embolia pulmonar.

Como a trombose venosa profunda é uma das principais causas de embolia pulmonar, no momento pós-operatório, alguns cuidados devem ser tomados para evitar o desenvolvimento da trombose. Nesse momento, o médico pode recomendar uso de meias elásticas, que melhoram a circulação, realização de massagem nas pernas, pequenas caminhadas e uso de medicamentos anticoagulantes.

Diagnóstico de embolia pulmonar

Para diagnosticar um caso de embolia pulmonar, é necessário analisar os sinais, sintomas e os exames laboratoriais de um paciente. Entre os exames que devem ser solicitados, estão radiografia do tórax, eletrocardiograma, gasometria arterial, angiotomografia, angiorressonância e arteriografia.

Embolia pulmonar tem cura?

Embolia pulmonar tem cura, principalmente quando o tratamento adequado é iniciado rapidamente. O tratamento será guiado de acordo com o risco do paciente, o qual pode ser classificado em: paciente de alto risco (> 15% de risco de morte), risco intermediário (risco de 3% a 15% de morte) e baixo risco (<1% de chance de morte).

Inicialmente, o tratamento de embolia pulmonar tem o objetivo de estabilizar o quadro do paciente. Caso haja falência respiratória, poderá ser adotada a ventilação mecânica. Além disso, dependendo da saúde do paciente, poderão ser feitos o uso de anticoagulantes e um procedimento denominado trombólise, no qual se utiliza medicação para dissolver o coágulo. Em casos mais graves, é recomendada a realização da embolectomia, cirurgia que visa a eliminar a obstrução da artéria.

Trombólise é um procedimento em que se utilizam medicamentos a fim de dissolver um coágulo.
Trombólise é um procedimento em que se utilizam medicamentos a fim de dissolver um coágulo.

Morte por embolia pulmonar

Embolia pulmonar é uma condição grave que pode levar à morte caso o tratamento adequado não seja realizado. Como na embolia pulmonar o fluxo sanguíneo para o pulmão é prejudicado, ocorre diminuição nas trocas gasosas e, consequentemente, menos oxigênio fica disponível para o corpo. Além dessa consequência, o bloqueio da artéria pulmonar ou de seus ramos leva a uma sobrecarga do coração. A embolia pulmonar é a terceira maior causa de mortalidade cardiovascular no mundo, ficando atrás apenas do infarto do miocárdio e do acidente vascular encefálico.

Sequelas da embolia pulmonar

A embolia pulmonar pode evoluir para hipertensão pulmonar, que se caracteriza pelo aumento da pressão arterial pulmonar. Essa pressão pode provocar sobrecarga e falência ventricular direita. Além disso, não podemos esquecer que a embolia pulmonar é um problema de saúde grave que pode levar à morte caso não seja tratado de forma adequada e rápida.