Alunos Online


Espermatozoide

Por: Mariana Araguaia Gametas masculinos

Gametas masculinos

 

Espermatozoide é o nome dado ao gameta masculino de diversas espécies, inclusive a nossa. Ele é formado nos testículos, mais especificamente nos túbulos seminíferos, a partir de um processo chamado espermatogênese.
 


 

 

A espermatogênese se inicia ainda na fase embrionária dos indivíduos masculinos em questão. De células germinativas primordiais, são formadas as espermatogônias, após sucessivas mitoses. Depois, a partir da puberdade, elas se multiplicam, e algumas se diferenciam em espermatócitos primários. Estes, por meiose, resultam em espermatócitos secundários, que se dividem novamente e se tornam espermátides.

As espermátides perdem parte do citoplasma e desenvolvem, a partir do centríolo, uma cauda. Assim, por processo denominado espermiogênese, se diferenciam em espermatozoides.

Os espermatozoides são direcionados ao epidídimo, completam seu amadurecimento, e ficam ali até a sua eliminação.

Eles são assim divididos:
 


 

Na cabeça, além do núcleo, está inserido o acrossomo. Esta estrutura é muito importante no que se refere à penetração do espermatozoide no ovócito secundário (gameta feminino), uma vez que possui enzimas capazes de perfurar sua região mais externa, a zona pelúcida. A peça intermediária é rica em mitocôndrias, ajudando na obtenção da energia capaz de permitir com que se desloque. Já a cauda, ou flagelo, é responsável pela locomoção propriamente dita do espermatozoide.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Ao ser liberado pela uretra, o espermatozoide está imerso em uma secreção leitosa e alcalina, formada por:

- Secreção das glândulas seminais (60%); responsável pela nutrição dos espermatozoides;

- Secreção prostática (entre 15 e 30%); também responsável pela nutrição dos espermatozoides;

- Secreção das glândulas bulboretais; liberada durante a excitação sexual, limpando a uretra.

A esse conjunto damos o nome de esperma, ou sêmen. A cada ejaculação, pouco menos que 5 mL dessa substância são liberados, além de cerca de 300 milhões de espermatozoides.

Dentro do corpo feminino, espermatozoides conseguem sobreviver por aproximadamente 72 horas.