Alunos Online


Febre reumática

A febre reumática é uma doença inflamatória considerada uma complicação decorrida de uma infecção de garganta, causada pelo estreptococo beta-hemolítico do grupo A. Essa febre é considerada uma doença autoimune e pode afetar diversas partes do corpo, como articulações, coração, sistema nervoso, pele e tecido subcutâneo. É uma doença que atinge principalmente crianças de 5 a 15 anos, e sabe-se que as pessoas que desenvolvem essa complicação nascem com uma predisposição genética para a doença.

O sintoma mais comum da febre reumática é a inflamação das articulações, geralmente joelhos e tornozelos, acompanhada de dor intensa, inchaço e vermelhidão. Essa inflamação não deixa sequelas e pode ser tratada com anti-inflamatórios.

Outro sintoma muito importante é a inflamação no coração (cardite). Essa inflamação pode ocorrer na membrana que o reveste, no músculo, ou no tecido que reveste as válvulas. A cardite é diagnosticada através do sopro cardíaco, taquicardia e cansaço ao fazer qualquer esforço. Nódulos subcutâneos e lesões avermelhadas nos troncos e membros estão quase sempre associados à cardite. Tal inflamação pode deixar sequelas, limitando a vida do paciente. Seu tratamento consiste em repouso e uso de corticosteroides.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

O sintoma chamado de coreia geralmente aparece alguns meses após a inflamação bacteriana e consiste em fraqueza muscular, movimentos desordenados e involuntários dos braços, pernas e rosto, e sensibilidade emocional (a criança fica mais irritada). O tratamento desse sintoma envolve repouso e uso de corticoides.

É importante ressaltar que nem todas as crianças apresentam febre como sintoma da febre reumática.

O diagnóstico da febre reumática é baseado no histórico do paciente e exames clínicos e o tratamento dessa doença depende do órgão afetado.

A febre reumática ocorre em pessoas que nascem com uma predisposição genética para a doença

A febre reumática ocorre em pessoas que nascem com uma predisposição genética para a doença

Por: Paula Louredo Moraes