Alunos Online


Meristemas

Os meristemas são tecidos com grande capacidade de divisão celular, sendo, portanto, fundamentais para o crescimento da planta.

Por: Vanessa Sardinha dos Santos O meristema apical é responsável por promover o crescimento da planta em comprimento

O meristema apical é responsável por promover o crescimento da planta em comprimento

Os meristemas são tecidos com alta capacidade de divisão formados por células ainda indiferenciadas. As células meristemáticas são pequenas, possuem paredes primárias, citoplasma denso, pequenos vacúolos e núcleo grande. Em razão da capacidade de divisão, são responsáveis pelo crescimento da planta.

Esse tecido frequentemente sofre mitose, originando uma célula que permanece meristemática e outra que sofre diferenciação. Isso quer dizer que a célula formada se transformará em uma célula madura de outro tecido. Denominamos de iniciais as células que se mantêm meristemáticas e de derivadas aquelas que são acrescentadas ao corpo da planta.

Podemos classificar os meristemas, de acordo com a sua posição no corpo de uma planta, em: apicais, intercalares e laterais.

Chamamos de meristemas apicais aqueles localizados nas regiões do ápice radicular e caulinar. Esse tecido está relacionado com o crescimento longitudinal da planta, ou seja, com o comprimento. A partir dos meristemas apicais, temos a formação do meristema fundamental, protoderme e procâmbio. O meristema fundamental é responsável pela formação do esclerênquima, colênquima e parênquima. A protoderme dará origem à epiderme. Já o procâmbio dará origem ao xilema e ao floema primário.

Os meristemas chamados de intercalares são aqueles que estão localizados nos entrenós das espécies de gramíneas, ou seja, entre tecidos maduros. Sua função, assim como os meristemas apicais, é promover o crescimento longitudinal.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Os meristemas laterais são aqueles que se relacionam com o crescimento em diâmetro da planta (espessura). Como exemplo, podemos citar o câmbio vascular, que dará origem ao xilema e ao floema secundário, e o felogênio, responsável pelo desenvolvimento da periderme. Esses tecidos são mais comuns em caules e em raízes.

Podemos também classificar os meristemas, de acordo com sua origem, em: primários e secundários.

Chamamos de meristemas primários aqueles que possuem células que se originaram diretamente das células embrionárias e são responsáveis pela estrutura primária da planta. Nesse caso, podemos citar os meristemas apicais e intercalares como exemplos.

Os meristemas secundários são aqueles que possuem células que se originaram de tecidos já diferenciados que se desdiferenciaram (tornaram-se novamente meristemáticas). Nesse caso, podemos citar o câmbio vascular e o felogênio como exemplos. A atividade dos meristemas secundários resulta na formação do corpo secundário da planta. Vale destacar que algumas plantas herbáceas e a maioria das monocotiledôneas não apresentam crescimento secundário.