Alunos Online


TDPM

TDPM, transtorno disfórico pré-menstrual, é uma forma intensa da famosa TPM. Esse transtorno causa irritabilidade, depressão e ansiedade.

Por: Vanessa Sardinha dos Santos Humor deprimido, sentimentos de falta de esperança ou pensamentos autodepreciativos são alguns dos sintomas observados para diagnosticar o TDPM.

Humor deprimido, sentimentos de falta de esperança ou pensamentos autodepreciativos são alguns dos sintomas observados para diagnosticar o TDPM.

TDPM é uma sigla que significa transtorno disfórico pré-menstrual. Esse transtorno, também chamado de síndrome disfórica pré-menstrual, é uma variação da conhecida síndrome pré-menstrual ou tensão pré-menstrual (TPM). Diferentemente da TPM, o TDPM é bem intenso e influencia negativamente nas atividades do dia a dia das mulheres que possuem esse problema. Estima-se que de 3% a 8% das mulheres em idade reprodutiva apresentam TDPM.

Veja também: TPM


Causas do TDPM

O TDPM não possui causa bem definida, entretanto, acredita-se que esse problema esteja relacionado com fatores hormonais e que exista predisposição genética para o problema. Redução nos níveis de serotonina (neurotransmissor que afeta, entre outras funções, o sono e o humor) é um importante fator para o desenvolvimento do transtorno. Vale salientar que fatores psicológicos e ambientais parecem estar também envolvidos com o problema.


Sintomas do TDPM

Geralmente, os sintomas do TDPM param com o início do fluxo menstrual.
Geralmente, os sintomas do TDPM param com o início do fluxo menstrual.

Os sintomas do TDPM podem surgir desde a primeira menstruação (menarca) e persistir até a última delas (menopausa). Esses sintomas acentuam-se com a aproximação da menstruação e, geralmente, param com o início do fluxo menstrual. Entre os sintomas do TDPM, podemos citar:

  • Depressão;

  • Ansiedade;

  • Tensão;

  • Irritabilidade;

  • Diminuição do interesse em atividades que antes davam prazer;

  • Variação do regime de sono.

Leia também: Coletor menstrual


Critérios utilizados para o diagnóstico do TDPM

O TDPM pode ser diagnosticado por meio de alguns critérios estabelecidos pelo Manual de Diagnóstico e Estatística da Associação Psiquiátrica Americana. De acordo com esse manual, se a mulher apresentar, na maioria de seus ciclos menstruais, cinco ou mais sintomas dos apresentados abaixo, ela poderá ter TDPM. Além disso, entre esses cinco ou mais sintomas, deve estar presente pelo menos um dos quatro primeiros sintomas a seguir:

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)
  1. Humor deprimido, sentimentos de falta de esperança ou pensamentos autodepreciativos.

  2. Acentuada ansiedade, tensão, sentimento de estar com os “nervos à flor da pele”.

  3. Instabilidade afetiva acentuada.

  4. Raiva ou irritabilidade persistente e acentuada ou conflitos interpessoais aumentados.

  5. Diminuição do interesse por atividades habituais.

  6. Sentimento subjetivo de dificuldade em concentrar-se.

  7. Letargia, fadiga fácil ou acentuada, falta de energia.

  8. Acentuada alteração do apetite, excessos alimentares ou avidez por determinados alimentos.

  9. Hipersonia ou insônia.

  10. Sentimento subjetivo de descontrole emocional.

  11. Outros sintomas físicos, como sensibilidade ou inchaço das mamas, cefaleia, dor articular ou muscular, sensação de “inchaço geral” e ganho de peso.


Qual médico procurar em caso de TDPM?

Caso a mulher suspeite que tem TDPM, é fundamental procurar ajuda médica para fazer o diagnóstico e iniciar o tratamento. Nesses casos, os médicos recomendados são ginecologistas e psiquiatras.


Tratamento do TDPM


Os anticoncepcionais que contêm drospirenona são recomendados no tratamento do TDPM.

O tratamento do TDPM varia de uma pessoa para outra. De uma maneira geral, observa-se melhora dos sintomas com uma alimentação saudável, com redução do consumo de cafeína, sal e álcool e com realização de atividades físicas, principalmente exercícios aeróbicos por, pelo menos, três vezes na semana. O tratamento do TDPM pode ser feito também com uso de medicamentos, como, fluoxetina, sertralina, paroxetina CR e anticoncepcionais que contenham drospirenona.

Leia também: Dicas para uma alimentação saudável