Alunos Online


Tecidos vegetais

Os tecidos vegetais, assim como os tecidos animais, são conjuntos de células semelhantes que desempenham uma determinada função.

Por: Vanessa Sardinha dos Santos Existem diferentes tecidos vegetais. Acima vemos a epiderme, um tecido de revestimento

Existem diferentes tecidos vegetais. Acima vemos a epiderme, um tecido de revestimento

Os tecidos são conjuntos de células com características semelhantes que realizam uma determinada função. Eles estão presentes em uma grande parte dos organismos vivos, inclusive nos vegetais.

Tecidos vegetais

Os tecidos vegetais podem ser classificados de diferentes formas. Uma das classificações é em meristemas e em tecidos permanentes.

  • Meristemas: são tecidos de intensa divisão celular que possuem células pequenas, com grandes núcleos e paredes primárias delgadas. Eles são responsáveis pelo crescimento e regeneração do vegetal. As células meristemáticas sofrem diferenciação, dando origem a outros tipos de tecido: os tecidos permanentes. Como exemplo de meristemas, temos os meristemas apicais (promeristema), tecidos meristemáticos primários (protoderme, meristema fundamental e procâmbio) e meristemas secundários ou laterais (felogênio e câmbio)

  • Tecidos permanentes: são os tecidos adultos que já sofreram diferenciação. Podemos dividi-los em tecidos do sistema dérmico, fundamental e vascular.

Tecidos permanentes

  • Sistema dérmico

- Epiderme: é um tecido de revestimento encontrado em células de crescimento primário. Desenvolve-se a partir da protoderme. Esse tecido apresenta células vivas, sem clorofila e com parede primária. Na epiderme, encontramos estruturas especializadas, como estômatos e tricomas. Em crescimento secundário, a epiderme é substituída pela periderme.

  • Sistema fundamental

- Parênquima: originado do meristema fundamental, é um tecido que se encontra espalhado por várias partes do vegetal, armazenando substâncias, atuando na fotossíntese e até mesmo preenchendo espaços. Suas células são vivas durante a maturidade, potencialmente meristemáticas, de formato isodiamétrico e com paredes celulares delgadas. De maneira geral, podemos classificá-lo em parênquima de preenchimento, clorofiliano e de reserva.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

- Colênquima: é um tecido de células vivas originado do meristema fundamental. Possui células com paredes espessadas, sendo esse espessamento usado para classificá-lo em colênquima angular, lamelar, lacunar ou anelar. A função desse tecido é garantir a sustentação de plantas em crescimento primário que estão sujeitas à movimentação constante.

- Esclerênquima: é um tecido derivado do meristema fundamental. Ele se destaca por ser um tecido duro e com células com paredes secundárias espessas que podem ou não possuir lignina. Em virtude dessa característica, fica claro que esse tecido relaciona-se com a sustentação do vegetal. No esclerênquima, encontramos dois tipos básicos de célula: fibras e esclereides.

  • Sistema vascular

- Xilema: é o tecido responsável por conduzir água e sais minerais, estando presente, portanto, em toda a planta. É um tecido complexo que é formado por células parenquimáticas, fibras e células especializadas na condução: traqueídes e elementos de vasos. Em plantas em crescimento primário, observamos xilema primário; em plantas em crescimento secundário ou em espessura, vemos o surgimento do xilema secundário.

- Floema: é um tecido de condução, assim como o xilema, e é responsável por conduzir substâncias orgânicas e inorgânicas em solução. Esse tecido ocorre em toda a planta e destaca-se por ser também um tecido complexo. É formado por células parenquimáticas, fibras, esclereides e células especializadas: células crivadas e elementos de tubo crivado. Durante o crescimento primário, observa-se apenas floema primário; quando ocorre o crescimento secundário, inicia-se a formação de floema secundário.