Alunos Online


Economias de Aglomeração

As economias de aglomeração estão relacionadas à concentração geográfica das atividades industriais.

Por: Rodolfo F. Alves Pena As economias de aglomeração formam uma consolidada estratégia industrial

As economias de aglomeração formam uma consolidada estratégia industrial

Economias de Aglomeração – por vezes chamadas de economias de localização – é um conceito elaborado para designar as aglomerações geográficas das indústrias e demais atividades econômicas, em especial aquelas que envolvem o setor secundário. Trata-se, assim, de um fenômeno da economia em que empresas se concentram em um dado local em busca de algumas determinadas vantagens no que se refere à cadeia produtiva.

Em resumo, nesse processo, os diferentes setores industriais buscam uma aproximação a fim de facilitar algumas questões logísticas, como o fornecimento de matérias-primas, além das chamadas externalidades, isto é, as relações empresariais entre os diferentes grupos econômicos para ampliar e melhorar as suas respectivas capacidades produtivas. Além disso, a formação de economias de aglomeração provoca a concentração de mão de obra, contribuindo para o aumento de trabalhadores capacitados e a consequente redução de seus salários.

Considerando que todo processo de industrialização de um dado espaço proporciona também a sua urbanização, é de se esperar que a concentração industrial também provoque o consequente fenômeno de concentração urbana. No caso do Brasil, essas economias de aglomeração concentraram seus esforços produtivos ao longo do século XX nas principais capitais do país, o que provocou uma urbanização que reverberou na concentração da população nessas cidades, que se transformaram em grandes metrópoles e, nos casos de Rio de Janeiro e São Paulo, em megalópoles ou cidades globais.

Tal fator resultou, também, em uma onda de migrações para as cidades do Sudeste brasileiro, grande reduto das economias de aglomeração no país, em razão de essa região contar com mais investimentos em transportes e infraestrutura, tanto para o escoamento da produção quanto para a exportação de produtos industrializados e matérias-primas.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Somente no final do século XX e início do XXI é que esse processo parece estar se invertendo. Isso porque, graças à Guerra Fiscal que se intensificou após a promulgação da Constituição de 1988, além da ampliação da rede de infraestrutura e transportes no país, outras regiões vêm crescendo economicamente e formando as suas próprias aglomerações industriais.

Observa-se, então, a constituição de uma desconcentração industrial, mais conhecida como deseconomia de aglomeração – que representa uma verdadeira “fuga de indústrias” para o interior do território nacional. Desse processo, resulta o crescimento das chamadas Cidades Médias, que funcionam como atrativos para empresas que desejam se instalar no interior, afastando-se de movimentos sindicais, da especulação imobiliária e do trânsito caótico das grandes metrópoles.

Porto Seco localizado no Distrito Agro Industrial de Anápolis, cidade média localizada em Goiás
Porto Seco localizado no Distrito Agro Industrial de Anápolis, cidade média localizada em Goiás

O processo de queda no ritmo de crescimento populacional das grandes cidades em face do crescimento das cidades médias vem sendo chamado de desmetropolização. Apesar disso, é precipitado afirmar que as metrópoles não sejam mais as protagonistas da economia nacional, isso porque elas ainda concentram as sedes e as fábricas das principais empresas do país.