Alunos Online


Revolta da Chibata e o Almirante Negro

A Revolta da Chibata, ocorrida em 1910, marcou uma das principais manifestações de parte da população explorada brasileira contra as duras condições de trabalho e vida impostas pelo governo e Forças Armadas brasileiras. Comandada pelo gaúcho João Cândido Felisberto, um marujo negro e analfabeto, a Revolta da Chibata tinha por objetivo diminuir a jornada de trabalho, aumentar os baixos salários e, principalmente, por fim aos castigos corporais que sofriam na marinha brasileira os marinheiros de baixa patente.

É dito aqui principalmente pelo fim dos castigos corporais, pois foi esta atitude dos oficiais da marinha contra os marujos o estopim para a Revolta da Chibata. A aplicação de castigos corporais na ocorrência até de pequenos atos de indisciplina era comum na marinha, utilizando para isso do chicote e da palmatória. Esses castigos incidiam sobre os marinheiros de baixa patente, formados principalmente por negros e mestiços, geralmente recrutados à força. Era a manutenção dos castigos infligidos aos africanos escravizados que vieram para o Brasil, no principal bastião das correntes monárquicas, dentro das Forças Armadas brasileiras.

A penalização com o uso do chicote havia sido proibida no Brasil desde a Proclamação da República, em 1889, mas ainda era prática comum na marinha até 1910. A pena brutal de 250 chibatadas infligida a Marcelino Rodrigues, a bordo do encouraçado Minas Gerais, e a convocação dos marinheiros para assistir a sua execução levaram à sublevação contra essas condições de trabalho.

Em 22 de novembro de 1910, os marinheiros, sob comando de João Cândido, aproveitaram que o comandante do Minas Gerais, Batista Neves, havia saído do encouraçado para jantar e se apoderaram da embarcação. Quando voltava ao navio, foi impedido pela fuzilaria que alvejou sua pequena embarcação. Na tentativa de conter a revolta, acabou morrendo. O encouraçado São Paulo também foi tomado e os revoltosos enviaram um telegrama ao presidente Hermes da Fonseca, ameaçando bombardear a cidade do Rio de Janeiro, caso o governo não atendesse suas reivindicações.

Após intensas negociações o Senado aprovou o fim dos castigos corporais na marinha e concedeu anistia aos revoltosos, caso eles depusessem as armas. Os revoltosos aceitaram as condições.

Porém, o decreto não foi cumprido. Outra revolta eclodiu no navio Rio Grande do Sul e no Batalhão de Fuzileiros Navais, localizado na Ilha das Cobras, em 09 de dezembro. O governo ordenou ao exército que atacasse a ilha dando início a uma repressão e perseguição também aos participantes da Revolta da Chibata, tornando, na prática, nulo o decreto. Vários marinheiros foram mortos e outros presos, sendo que os poucos sobreviventes foram enviados ao Acre para trabalhos forçados nos seringais.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

João Cândido, o Almirante Negro, sobreviveu e foi encaminhado a um hospital psiquiátrico. Foi julgado em 1912 e considerado inocente. Entretanto, em vida, não foi anistiado e não recebeu nenhuma indenização ou pensão por parte da marinha. Morreu em 1969. Em 2008, o então presidente Lula sancionou uma lei concedendo anistia a João Cândido, mas houve veto à sua reincorporação à marinha, o que daria direito a indenizações à família. Também não foi reconhecida a João Cândido a patente de almirante.

Lula ainda inaugurou uma estátua em homenagem ao Almirante Negro, colocada na Praça XV de Novembro, no centro do Rio de Janeiro. Um petroleiro da Petrobrás também leva o nome do revoltoso de 1910. Mas a homenagem mais conhecida é a música “O mestre-sala dos mares”, de João Bosco e Aldir Blanc, composta em 1974. A música foi censurada pela ditadura civil-militar, que, por exemplo, trocou as palavras marinheiro por feiticeiro, almirante por navegante, bloco de fragatas por alegria das regatas.

O Mestre-sala dos Mares.

João Bosco/Aldir Blanc

Há muito tempo nas águas da Guanabara
O dragão do mar reapareceu
Na figura de um bravo feiticeiro
A quem a história não esqueceu.
Conhecido como o navegante negro
Tinha a dignidade de um mestre-sala.
E ao acenar pelo mar na alegria das regatas
Foi saudado no porto pelas mocinhas francesas
Jovens polacas e por batalhões de mulatas.

Rubras cascatas
Jorravam das costas dos santos entre cantos e chibatas
Inundando o coração do pessoal do porão
Que, a exemplo do feiticeiro, gritava então:

Glória aos piratas
Às mulatas, às sereias.

Glória à farofa
à cachaça, às baleias.

Glória a todas as lutas inglórias
Que através da nossa história não esquecemos jamais.

Salve o navegante negro
Que tem por monumento as pedras pisadas do cais.

Mas salve.
Salve o navegante negro
Que tem por monumento as pedras pisadas do cais.

Mas faz muito tempo.


Aproveite para conferir as nossas videoaulas relacionadas ao assunto:

João Cândido, o homem alto e sorridente ao centro, principal líder da Revolta da Chibata. Foto de O Malho, de 03/12/1910

João Cândido, o homem alto e sorridente ao centro, principal líder da Revolta da Chibata. Foto de O Malho, de 03/12/1910

Por: Tales Pinto

Artigos Relacionados