Alunos Online


Revolução Cubana

A Revolução Cubana foi um processo revolucionário de caráter nacionalista que causou a derrubada da ditadura de Fulgêncio Batista em 1959.

Por: Daniel Neves Silva Fidel Castro, líder da Revolução Cubana, governou o país caribenho entre 1959 e 2008.*

Fidel Castro, líder da Revolução Cubana, governou o país caribenho entre 1959 e 2008.*

  A Revolução Cubana foi um processo revolucionário em que os guerrilheiros cubanos realizaram a tomada do poder em Cuba no ano de 1959. A princípio, a Revolução Cubana foi um movimento de caráter nacionalista, mas aos poucos transformou o país caribenho em uma nação comunista por meio de uma aliança com a União Soviética. O movimento encerrou a ditadura militar de Fulgêncio Batista, que havia sido iniciada em 1953.

Acesse também: Entenda o significado de um importante conceito utilizado na história do Brasil

Líderes da Revolução Cubana

A Revolução Cubana teve em Fidel Castro o seu grande nome e líder. Outros nomes importantes foram o de Raúl Castro, irmão de Fidel, além de Ernesto “Che” Guevara, um dos grandes símbolos da luta revolucionária na América Latina, e Camilo Cienfuegos.

Antecedentes

A partir de 1952, Cuba foi colocada sob um regime ditatorial, que era comandado por Fulgêncio Batista, o qual tomou o poder por meio de um golpe militar. Com isso, iniciou-se em Cuba um período que ficou marcado pela repressão e perseguição aos opositores do governo. A ditadura de Fulgêncio Batista é também considerada o ponto de partida para o início do movimento revolucionário cubano.

Havia uma grande insatisfação em Cuba pela forte influência dos Estados Unidos na ilha, uma vez que diversas empresas norte-americanas estavam instaladas no país e mantinham-se com altos lucros obtidos pela exploração da sociedade cubana. O símbolo da influência americana em Cuba era a Emenda Platt, um tratado assinado entre Estados Unidos e Cuba em que os cubanos deveriam aceitar as interferências do governo americano.

A situação interna de Cuba era a de um país que vivia sob uma ditadura corrupta e que tinha como propósito atender os interesses dos Estados Unidos no território cubano. Nesse contexto, surgiu um movimento revolucionário cubano de caráter nacionalista e que tinha em Fidel Castro, um estudante de Direito, seu grande líder.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Revolução Cubana

Considera-se como o início da Revolução Cubana o ataque realizado contra o Quartel de Moncada no dia 26 de julho de 1953. Moncada era um quartel do exército cubano que servia como arsenal (depósito) de armamentos. Uma guerrilha composta por pouco mais de cem pessoas e liderada por Fidel Castro realizou esse ataque.

A ideia de Fidel Castro com o ataque a Moncada era desencadear uma mobilização contra a ditadura de Fulgêncio Batista. O ataque, porém, foi um grande fracasso, e muitos dos guerrilheiros que lutaram ao lado de Fidel foram mortos. Outros guerrilheiros – incluindo Fidel e seu irmão, Raúl – foram presos. Fidel e Raúl foram condenados a 15 anos de prisão. Fidel organizou sua própria defesa, na qual pronunciou a célebre frase: “Me condenem, não importa. A história me absolverá.”

Libertado dois anos depois por ordem de Fulgêncio Batista, Fidel exilou-se no México, onde organizou um grupo (Movimento 26 de julho) que mantinha o mesmo objetivo de antes: promover a derrubada da ditadura de Fulgêncio Batista. Em 1956, o grupo retornou a Cuba, mas foi surpreendido pelas tropas do exército cubano em um ataque que resultou na morte de grande parte dos integrantes do movimento.

Os sobreviventes do ataque esconderam-se em Sierra Maestra, uma região montanhosa de Cuba, e de lá se reorganizaram e formaram uma nova guerrilha para derrubar Fulgêncio Batista. A guerrilha instalada em Sierra Maestra lutou contra as tropas do governo cubano entre 1956 e 1959 e, gradativamente, foi impondo derrotas à ditadura cubana, deixando-a encurralada. A queda de Batista, porém, foi súbita e aconteceu de uma vez, pois as primeiras grandes conquistas dos guerrilheiros cubanos só aconteceram no final de 1958.

A queda repentina de Fulgêncio Batista, apesar de lutar há três anos contra as guerrilhas, é explicada por Eric Hobsbawm como reflexo da falta de apoio real ao seu governo|1|. No momento em que surgiu uma alternativa minimamente viável, seu governo foi abandonado pelas classes políticas de Cuba, e Fulgêncio ficou à própria sorte.

A vitória dos revolucionários cubanos é datada em 1º de janeiro de 1959, quando os guerrilheiros liderados por Fidel Castro adentraram Havana e forçaram Fulgêncio Batista a fugir de Cuba. Fidel Castro, por sua vez, só chegou em Cuba no dia 8 de janeiro.

A Revolução Cubana e a Guerra Fria

- Como uma revolução de caráter nacionalista que não possuía discurso ou associação com o comunismo tornou Cuba uma nação comunista?

A resposta para essa pergunta está no contexto em que ela aconteceu (o auge da Guerra Fria) e na reação americana que empurrou o pequeno país caribenho para o colo dos soviéticos. A Guerra Fria foi um conflito que dividiu o mundo em dois blocos: um de orientação capitalista, liderado pelos Estados Unidos, e outro de orientação socialista, liderado pela União Soviética.

Após a Revolução Cubana, um governo provisório sob a liderança de Manuel Urrutia foi instalado em Cuba. Fidel foi colocado na função de primeiro-ministro, e mudanças começaram a acontecer no país, principalmente na economia, buscando cortar os laços de dependência econômica que o país possuía com os Estados Unidos. Sendo assim, os revolucionários cubanos cumpriram aquilo a que sempre estiveram dispostos: defender uma agenda econômica nacionalista que diminuísse a influência dos Estados Unidos na economia cubana.

O novo governo cubano procurou reduzir a dependência da economia em relação ao açúcar e promover a industrialização da ilha, mas ambos os projetos fracassaram. Outra medida importante foi promover a reforma agrária e nacionalizar empresas e a exploração de recursos no território cubano. O grande afetado foi os Estados Unidos, uma vez que as maiores empresas instaladas em Cuba eram americanas.

Essas ações do governo cubano desagradaram profundamente aos Estados Unidos, que se opuseram abertamente ao projeto nacionalista cubano, rompeu relações com o país e procurou desenvolver formas para sabotar o novo governo. O país norte-americano realizou embargos à economia cubana e tentou invadir a ilha em 1961, no que ficou conhecido como Invasão da Baía dos Porcos.

As tentativas americanas de sabotar política e economicamente o governo cubano abriram o caminho para a aproximação dos cubanos com os soviéticos. Com os americanos abertamente contra Cuba, sobrou ao país caribenho buscar o auxílio econômico com a União Soviética. Com isso, em 1961, Cuba aliou-se formalmente ao bloco comunista.

A relação entre Cuba, União Soviética e Estados Unidos, inclusive, foi a responsável por um dos momentos mais tensos da história da humanidade após a Segunda Guerra Mundial. Em 1962, aconteceu a Crise dos Mísseis em Cuba. Durante duas semanas, o mundo acompanhou atentamente a possibilidade de que uma guerra nuclear entre EUA e URSS estourasse.

Fidel Castro, o líder da Revolução Cubana, governou o país entre 1956 e 2008. De 1959 a 1976, atuou como primeiro-ministro e, de 1976 até 2008, como presidente cubano. Foi sucedido por Raúl Castro, seu irmão, que governou Cuba entre 2008 e 2018. Atualmente, Cuba permanece como um regime comunista, e o presidente atual do país chama-se Miguel Díaz-Canel.

Acesse também: Entenda os motivos pelos quais EUA e México travaram uma guerra

Resumo

A Revolução Cubana foi um processo revolucionário conduzido por Fidel Castro que tinha caráter nacionalista e dois grandes objetivos: derrubar a ditadura de Fulgêncio Batista e interromper a influência americana no país. Para isso, foi conduzida uma luta armada contra o governo por meio de guerrilhas.

Com a vitória dos guerrilheiros cubanos, o ditador Fulgêncio Batista abandonou o país, e Fidel Castro assumiu o poder. As transformações profundas encabeçadas por Fidel renderam a inimizade dos Estados Unidos e a aproximação com a União Soviética.

|1| HOBSBAWM, Eric. Era dos Extremos: o breve século XX 1914-1991. São Paulo: Companhia das Letras, 1995, p. 426.

*Créditos da imagem: Rob Crandall e Shutterstock