Alunos Online


Número Imaginário

As equações do 2º grau são resolvidas utilizando diversas técnicas, dentre as quais, a mais cogitada é através da resolução pelo método de Bháskara, que determina as raízes da equação utilizando os seus coeficientes.

Ao resolvermos uma equação do 2º grau utilizando o método de Bháskara, respeitamos algumas condições de acordo com o valor do discriminante. Se ele for maior ou igual a zero, continuamos a resolver a equação. Caso seja menor que zero, isto é, um número negativo, dizemos que a equação não possui raízes reais, em virtude de o valor do discriminante pertencer a uma raiz. A afirmativa condiciona-se ao fato de que dentre o conjunto dos números reais, não existe raiz quadrada de números negativos. Observe a seguinte equação:

O valor do discriminante é igual a um número negativo (? = −4). Esse tipo de equação ficou por muito tempo sem resolução, pois enquadrava-se na situação da raiz quadrada de um número negativo. Somente após um longo período de pesquisas e estudos, matemáticos anunciaram a resolução com o auxílio de um número imaginário. O mesmo era representado pelo símbolo e associava seu valor a −1. Observe como representar a raiz negativa da equação anterior:

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)




Dessa forma, as equações em que o valor do discriminante fosse um número negativo, seriam resolvidas aplicando as técnicas do número imaginário, obtendo assim, a raiz quadrada deste número negativo. Veja:





Com essa nova descoberta surgiu o conjunto dos números complexos, formados por uma parte real e outra parte imaginária. Por exemplo, as raízes da equação do 2º grau x² − 6x + 10 = 0, são x’ = 3 + i e x” = 3 − i. As raízes são números complexos onde a parte real de x’ é igual a 3 e a parte imaginária +i e a parte real de x” é 3 e a parte imaginária −i.

Exemplo

Vamos determinar as raízes da seguinte equação do 2º grau: −x² + 4x − 29 = 0.




As raízes da equação −x² + 4x − 29 = 0 são:

x’ = 2 − 5i
x” = 2 + 5i

Unidade imaginária

Unidade imaginária

Por: Marcos Noé