“A gente” ou “nós”?

Qual expressão empregar: “a gente” ou “nós”? Essa é uma questão que envolve os diferentes registros da língua portuguesa.

Por Luana Castro Alves Perez
As duas formas, a gente e nós, existem, basta saber quando e como utilizar cada uma delas
As duas formas, a gente e nós, existem, basta saber quando e como utilizar cada uma delas
PUBLICIDADE

“A gente” ou “nós”? Essa não é uma simples questão gramatical. A pergunta envolve fatores que a Sociolinguística ajuda a explicar e que vão muito além do certo ou errado ou do que está prescrito na gramática normativa.

Se você perguntar para um linguista mais tradicional, certamente ele se posicionará contra o uso do “a gente”. Dirá que a forma deve ser eliminada tanto da modalidade escrita quanto da modalidade oral. Agora, se você fizer a mesma pergunta para um linguista menos ortodoxo, ele dirá que essa é uma questão de adequação linguística, ou seja, você pode usar o “a gente” quando a situação não exigir tanta formalidade, caso contrário, o melhor é optar pelo pronome pessoal do caso reto “nós”.

A verdade é que os falantes consagraram, principalmente na fala, a locução pronominal “a gente”, que tem o mesmo valor semântico do pronome pessoal do caso reto “nós”. Sendo assim, seria difícil conter o uso da expressão que está presente até mesmo na linguagem literária, imortalizada em verso e prosa. Veja alguns exemplos:

No cancioneiro popular, composição de Antônio Almeida e João de Barro:

(...) A saudade é dor pungente, morena
A saudade mata a gente, morena
A saudade é dor pungente, morena
A saudade mata a gente.”

(A saudade mata a gente)

Na obra-prima de Guimarães Rosa, Grande Sertão: Veredas:

(...) a gente carece de fingir às vezes que raiva tem, mas raiva mesma nunca se deve de tolerar ter. Porque, quando se curte raiva de alguém, é a mesma coisa que se autorizar que essa própria pessoa passe durante o tempo governando a ideia e o sentir da gente; o que isso era falta de soberania, e farta bobice, e fato é."

Até mesmo o genial Machado de Assis, famoso pelo fino trato com as palavras, rendeu-se à forma coloquial, tudo em nome da expressividade. Os trechos a seguir foram extraídos de Dom Casmurro:

"A alma da gente, como sabes, é uma casa assim disposta, não raro com janelas para todos os lados, muita luz e ar puro. Também as há fechadas e escuras, sem janelas ou com poucas e gradeadas, à semelhança de conventos e prisões. Outrossim, capelas e bazares, simples alpendres ou paços suntuosos."

"A vida é cheia de obrigações que a gente cumpre, por mais vontade que tenha de as infringir deslavadamente."

O que isso quer dizer? Quer dizer que não existe certo ou errado nessa questão, até porque “a gente” e “nós” possuem o mesmo valor semântico, e fazer-se compreender é a regra de ouro da comunicação. Seria ingenuidade pregar a extinção do corriqueiro “a gente”, tido como incorreto e vulgar por muitos linguistas e até mesmo por quem não é linguista, mas mesmo assim adora corrigir os outros... Para que você não fique na dúvida, nos textos não literários prefira o pronome pessoal “nós”, fica mais adequado e menos coloquial. Mas na fala, não se acanhe, não há problema algum em substituir o “nós” pelo “a gente”. A língua portuguesa é assim, dinâmica e adaptável, e saber quando e como empregar os diferentes registros – linguagem padrão e linguagem coloquial – é o que nos torna poliglotas em nosso próprio idioma. Bons estudos!

DESTAQUES
Confira os destaques abaixo

..................................................

Desinências
Revise os principais tipos de flexões das desinências.

..................................................

Capivara
Conheça aspectos do maior roedor do mundo agora mesmo!

..................................................