Alunos Online


Haja e Aja

Haja e aja, embora apresentem aspectos idênticos, sobretudo no que tange à pronúncia, são aplicados em circunstâncias distintas. Dada essa realidade, constata-se que muitos desvios linguísticos são cometidos em razão de sua aplicação errônea e, consequentemente, acabam interferindo de forma direta na performance linguística.

Nesse sentido, de modo a verificarmos as características que norteiam ambas as formas verbais e, sobretudo, ampliarmos nossa competência enquanto usuários desse nobre sistema, que é a Língua Portuguesa, verifiquemos algumas elucidações retratadas a seguir:

A forma verbal “haja” pertence ao presente do modo subjuntivo, fazendo referência à primeira ou terceira pessoa, bem como à forma afirmativa ou negativa do modo imperativo do verbo “haver”. Assim, vejamos como são conjugadas:

Presente do modo subjuntivo

Que eu haja
Que ele haja

Forma afirmativa e/ ou negativa

Haja você
Não haja você

Dessa forma, lembra-se daquela corriqueira expressão “haja paciência”? Pois bem, ela é exatamente grafada dessa maneira, visto que podemos atribuir outros sentidos para o verbo em questão (haver), expressos por ocorrer, acontecer, existir

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Já a forma “aja”, representa aquela que também se mostra flexionada, porém pertencente ao verbo “agir”. Tal qual o verbo “haver”, ela representa a primeira ou terceira pessoa do presente do modo subjuntivo, como também das formas imperativa e negativa. Verifiquemos, pois, a conjugação destas:

Presente do modo subjuntivo

Que eu aja
Que ele aja

Forma formativa e/ou negativa (modo imperativo)

Aja você
Não aja você

O sentido que podemos atribuir à forma em evidência é atuar, proceder. Que tal constatarmos alguns exemplos?

Aja sempre de forma consciente, com isso obterá a confiança de todos.

Na dúvida, aja com cautela.

Haja e Aja – a primeira palavra se refere ao verbo haver, e a segunda, ao verbo agir

Haja e Aja – a primeira palavra se refere ao verbo haver, e a segunda, ao verbo agir

Por: Vânia Maria do Nascimento Duarte