Alunos Online


Óxidos neutros

Por: Jennifer Rocha Vargas Fogaça O monóxido de carbono é um óxido neutro, apesar de ser tóxico.

O monóxido de carbono é um óxido neutro, apesar de ser tóxico.

Os óxidos neutros são também denominados óxidos indiferentes e inertes, pois não reagem com a água. Portanto, não formam nem ácidos nem bases.

Esses compostos apresentam características covalentes, isto é, são moleculares, sendo formados por ametais, que não reagem com a água, mas também não reagem com ácidos nem com bases.

Existem poucos óxidos nessa classe, mas os exemplos mais importantes estão listados a seguir:

N2O: Monóxido de dinitrogênio ou óxido nitroso:

Esse composto é conhecido como nitro e é usado em cilindros de NOS (Nitrous Oxide Systems) para aumentar a potência de automóveis. O uso desse composto apresenta também algumas desvantagens, como a poluição do meio ambiente e a intensificação do efeito estufa.

Cilindro de NOS que contém óxido nitroso para aumentar o desempenho de automóveis.
Cilindro de NOS que contém óxido nitroso para aumentar o desempenho de automóveis.

Ele também é conhecido como “gás hilariante”, pois é capaz de estimular a contração dos músculos e provocar “risos” e a sensação de alegria e euforia. Em 1799, foi proposto pelo químico inglês Sir Humphry Davy (1778-1829) para ser usado como anestésico. Hoje em dia, em alguns países, ele ainda é usado assim por médicos e dentistas, porém pode causar asfixia.

CO: Monóxido de carbono

Esse óxido é um gás incolor, inodoro e extremamente tóxico, podendo causar dor de cabeça, problemas de visão e redução da capacidade de trabalho. Além disso, pode deixar a pessoa inconsciente e causar a sua morte se for inalado em grande quantidade. Ele é altamente perigoso porque tem a capacidade de se ligar à hemoglobina do sangue e impedir que ela transporte oxigênio durante o processo de respiração.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Ele é produzido pela queima ou combustão incompleta de materiais que contêm carbono, como carvão, madeira, papel, gasolina e outros combustíveis. O fumo passivo, o tabagismo ativo, a exposição a esse gás em locais de trabalho e a poluição atmosférica expõem a pessoa a esse óxido.

Ele é usado em siderúrgicas para reduzir o óxido de ferro III em ferro metálico:

Fe2O3(l) + CO(g) → 2 Fe (l) + 3 CO2(g)

Produz o metanol ao reagir com hidrogênio gasoso.

CO(g) + 2 H2 → CH3OH(l)

Esse gás também polui o meio ambiente ao reagir com o oxigênio em reações de oxirredução e ao formar o gás carbônico:

2 CO(g) +  O2(g) → 2 CO2(g)

NO: Monóxido de nitrogênio ou óxido nítrico

Esse composto pode ser formado durante as tempestades, em que os raios fornecem energia para a reação entre os gases nitrogênio e oxigênio, presentes no ar atmosférico:

N2(g) + O2(g) → 2 NO(g)

 

Esse óxido é considerado poluente atmosférico, pois pode produzir outros óxidos de nitrogênio (NOX), que reagem com a água, formando ácidos. Assim, ele contribui para a chuva ácida.

Portanto, na atmosfera podem ocorrer as seguintes reações:

2 NO + O2 → 2 NO2
2 NO2 + H2O → HNO2 + HNO3
HNO2 + O2 → 2 HNO3

O ácido nítrico formado (HNO3) é o segundo maior causador de estragos da chuva ácida; ficando atrás somente do ácido sulfúrico. 

O óxido de nitrogênio, um óxido neutro, é formado na atmosfera, durante tempestades com raios.